+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Temor empresarial a uma subida de impostos

 

{Fermín} Sánchez, presidente da associação canária de Bares e Restaurantes. - {YAIZA} SOCORRO

23/11/2019

Preocupação é a palavra que melhor define a opinião generalizada entre o empresariado canário perante um possível Governo do PSOE e Podemos. Um clima de preocupação no qual subjaz, isso sim, o temor {latente} de que o futuro Executivo ponha em prática uma política fiscal {confiscatoria}. A subida de impostos se dá por descontada, a dúvida reside em até que ponto forçará a máquina {recaudatoria} o próximo ministro de Finanças.

No momento de {ralentización} económica que atravessam nestes momentos Espanha e Europa, uma situação que nas ilhas se tem agravado, além disso, com a falência do {turoperador} britânico Thomas Cook (que só/sozinho no 2018 trouxe ao arxipélago a mais de dois milhões de turistas), os empresários da região não acreditam que sejam os socialistas, e ainda menos os {podemitas}, a melhor opção para marcar o rumo económico e financeiro do país.

As grandes patronais provinciais da comunidade autónoma já tinham deixado clara sua preferência pelo entendimento entre os dois grandes partidos do país.

O ABRAÇO / O abraço entre Pedro Sánchez e Pablo Iglesias é o anúncio do pior cenário possibilismo a olho dos empresários do arxipélago, sobretudo se o casal entre socialistas e {podemitas} acaba convidando à mesa de governo a forças políticas independentistas. Há medo a que as concessões a {secesionistas} e radicais vão de novo em perjuízo/dano das necessidades de Canárias. {Fermín} Sánchez, empresário do sector dos bares, cafetarias e restaurantes, teme que a {ralentización} pode desembocar, se se pisa em excesso o acelerador da pressão fiscal, numa fuga de investidores e capitais. «O PSOE e o PP deveram deixar os egos a um lado e ter formado uma grande coalizão», diz. Juan Carlos {Arricivita}, do sector hoteleiro, considera que a união de PSOE e PP seria a melhor garantia de estabilidade. «O que {tememos} é que se perca o tempo» quando Europa já alerta de novos ajustes. MOISÉS Á. MONTERO