+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Uma {tromba} de recorde ocasiona um morto e cinco desaparecidos

Um homem de 75 anos foi arrastado e encontrado sem vida em {Caldes} d’{Estrac} . A água torrencial afeta a pontes, vias de comboio e estradas em {Cambrils} e {Salou}

 

REDACCIÓN epextremadura@elperiodico.com BARCELONA
24/10/2019

A depressão isolada de níveis altos ({DANA}) causou ontem as piores inundações dos últimos 25 anos em Catalunha com o tragicómico balanço de um morto e cinco desaparecidos. Meio centena de estradas e várias vias de caminho de ferro cortadas, povos/povoações inundados, colégios fechadas e 30.000 pessoas sem luz se acrescentaram ao balanço. A {tromba} recordou por suas consequências a gota fria que em Outubro de 1994 castigou as regiões de {Tarragona}, que esta vez também se levaram a pior parte. A de ontem foi além disso a {tromba} mais intensa dos últimos 50 anos.

A única vítima mortal confirmada é um vizinho/morador de {Arenys} de {Munt} (Barcelona), de 75 anos, quem de madrugada saiu de seu casa ao ver que descia muita água pela {riera} e que seu carro, estacionado ali, corria perigo. Seu corpo apareceu horas mais tarde na praia de {Caldes} d’{Estrac}, a oito quilómetros.

Pouco antes da meia-noite de terça-feira, a água que transbordou o rio {Francolí} arrastou a uma mãe e seu filho que se encontravam no interior duma casa telemóvel numa quinta próxima. Os desaparecidos são a mãe e um irmão de um vizinho/morador, de 69 e 42 anos, respetivamente. Bombeiros e Polícia catalã d’{Esquadra}, com o apoio de meios aéreos e muitos voluntários, {peinaron} a zona zero do acontecimento. O {Francolí}, que desemboca em {Tarragona}, chegou a registar um caudal de 1.200 metros cúbicos por segundo, mil vezes seu volume habitual. «Foi como se um barragem {reventara}», disse um vizinho/morador de {Vilaverd}.

Outras três pessoas desapareceram arrastadas pelo água a escassa distância de {Vilaverd}, em L’{Espluga} de {Francolí}. São os ocupantes de um turismo que apareceu destroçado depois de/após que seus familiares dessem a alarma. As equipas de resgate cortaram o teto do veículo com a esperança de encontrar às vítimas em seu interior, mas estava vazio.

BUSCA SUSPENDIDA / A 100 metros apareceu um camião belga sem seu condutor, ao que também procuravam os bombeiros, aqueles que suspenderam ontem à noite a busca das cinco pessoas desaparecidas. Prevê-se que hoje recuperem estas tarefas.

Além disso, uma menina de 7 anos e uma mulher de 35 tiveram que ser hospitalizadas devido aos destroços que a chuva torrencial e um violento tornado causaram no {cámping} {Aqua} Alba de {Gualba} (Barcelona), onde várias caravanas foram arrastadas e um {bungaló} ficou sem telhado. O {Francolí} destroçou pontes, estradas e vias de caminho de ferro para além de inundar muitos negócios e habitações em {Montblanc} e L’{Espluga} de {Francolí}, ambas em {Tarragona}.

Proteção Civil da Generalitat recebeu 2.339 chamadas a noite de terça-feira pelas incidências a causa do temporal, e o município que mais chamadas registou foi {Cambrils} ({Tarragona}), com 139. Este município {tarraconense} amanheceu ontem sem praias e com as {rieras} e barrancos {desfugurados} pelo passo do temporal. Uma passarelas, situada diante a esquadra dos Polícia catalã d’{Esquadra}, não aguentou a pressão com a que descia a água e acabou quebrando-se.

Não foi o único dano material, pois o balanço da Policia Municipal falava ontem queda/redução de parte do {talúd} da via férrea e desprendimento da ponte da {A-7} à altura do polígono {Belianes}, na estrada T-312, a que chega até {Montbrió} do {Camp}.

Trata-se do terceiro temporal que afeta a Espanha nos últimos três meses, após o passo da {DANA} (Depressão Isolada em Níveis Altos) de finais de Agosto por Castela e Leão, Castela-A Mancha, bem como pelo litoral mediterrâneo, e do qual assolou em setembro algumas zonas de Albacete, comunidade valenciana, Andaluzia, Múrcia, Baleares e Madrid. Após passar por Catalunha e Baleares este último temporal desta semana se tem deslocado à cornija cantábrica. A Agência Estatal de Meteorologia ({Aemet}) prevê precipitações persistentes em Asturias, Cantabria e País Basco, comunidades que também poderiam ver-se afetadas por fortes ventos costeiros.