+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Mais de 350 migrantes esperam um porto seguro após ser resgatados

A saída de pateras pelo conflito líbio aumenta a pressão no Mediterrâneo . Os navios ‘{Aita} Mari’, ‘{Opens} {Arms}’ e ‘{Ocean} {Viking}’ aguardam um desembarco

 

Pessoas resgatadas pelo navio basco ‘{Aita} Mari’. - EUROPA PRESS

EFE
23/11/2019

Um total de 366 migrantes esperam poder/conseguir desembarcar num porto seguro após ter sido resgatados os últimos dias por três navios humanitários de sendas {oenegés} no Mediterrâneo central. O último resgate se produziu na tarde de quinta-feira, quando o antigo {pesquero} basco {Aita} Mari, habilitado/tesoureiro como embarcação de resgate pela ONG Salvamento Marítimo Humanitário ({SMH}), salvou a 78 pessoas que iam numa patera. A embarcação foi localizada em águas internacionais e espera agora a atribuição de um porto seguro, disse a ONG, que também indicou num comunicado que «os únicos portos seguros e próximos são os italianos e {malteses}».

Pouco antes, a ONG espanhola {Open} {Arms} resgatou a 73 migrantes em águas do Mediterrâneo central que viajavam numa barcaça à deriva que apresentava risco de naufragar e foram encontrados a umas 50 millas das costas líbias. Os resgatados são 69 homens e quatro mulheres, entre eles dois meninos de 3 e 4 anos de idade, para além de 24 menores não acompanhados. Alguns dos migrantes sofrem {shock} traumático, queimaduras, feridas de arma de fogo, hipotermia grave e desidratação, detalhou a organização em seus redes sociais. A ONG solicitou um porto seguro ao que transferir a estas pessoas e esperam instruções dos dois países europeus mais próximos, Itália e Malta.

Enquanto, o barco {Ocean} {Viking}, das ONG Médicos Sem Fronteiras e {SOS} {Mediterranée}, leva a bordo a 215 migrantes resgatados nos últimos dias em três operações diferentes no Mediterrâneo central face às costas líbias. Num comunicado publicado esta sexta-feira, {SOS} {Méditerranée} explicou que pediu aos centros de salvamento de Itália e Malta que lhe atribuam um porto, depois de/após ter rejeitado a proposta das autoridades líbias, que lhe tinham atribuído o de {Trípoli}. O último dos resgates, de 90 pessoas, se produziu na quinta-feira em águas internacionais a 82 millas náuticas (152 quilómetros) das costas líbias. O {Ocean} {Viking} esteve procurando durante quase 24 horas uma embarcação pneumática que tinha saído da localidade líbia de {Khoms} na terça-feira, e para a que se tinha emitido um alerta. Na quarta-feira a nave socorreu a 30 pessoas que navegavam em direção a Europa.

seis mortos / Por outro lado, pelo menos seis migrantes morreram e à volta de 90 foram resgatados pela Guarda Costeira líbia após naufragar o lata precária com o que pretendiam cruzar o Mediterrâneo e chegar a Itália. Com este grupo, são perto de 700 os migrantes que têm jogo/partido nas últimas 72 horas de Líbia tratando de fugir dos combates que se deliberam desde no passado 4 de Abril nas regiões do ambiente da capital, e que se têm recrudescido nesta semana na estrada de {Khoms}, única via de conexão terrestre com {Trípoli}.

Em Espanha, Salvamento Marítimo resgatou ontem perto de a ilha de {Alborán} a 111 subsaarianos, entre elas 26 mulheres e dois menores, que viajavam em dois pateras que tinham saído desde uma praia de {Bouyafart}, no norte de Marrocos. Além disso, outros, 85 chegaram a noite de quinta-feira ao porto de {Arguineguín}, em Grande Canária, depois de/após que Salvamento intercetasse o cayuco e a patera nos que viajavam.