+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

França e China reafirmam sua luta contra a crise climática

Macron e Xi avalizam o fundo verde de 90.200 milhões de euros da ONU. Los dois líderes se desmarcam de Trump, que abandonará o Acordo de Paris

 

Vista geral duma autoestrada de {Shanghái}, em plenário/pleno entupimento, à primeira hora da manhã. - REUTERS / CARLOS BARRIA

REDACCIÓN
07/11/2019

Os presidentes da França, Emmanuel Macron, e da China, Xi Jinping, acordaram ontem fortalecer a sua «associação estratégica bilateral» e reafirmaram seu «firme apoio» ao Acordo de Paris pelo clima. Numa comparência combina perante os meios de comunicação após uma reunião bilateral, Xi comprometeu-se a trabalhar juntamente com Macron para continuar promovendo a associação estratégica integral entre os dois estados, olhando «até o mundo, o futuro e vila», e a manter essa associação à vanguarda das «relações entre dois grandes países».

Ambos mandatários sublinharam que o Acordo de Paris, adotado durante a Cimeira Mundial contra o Alterações Climáticas de 2015, é «um processo irreversível» e uma «bússola» para uma «ação forte» sobre/em relação a o clima. Macron e Xi asseguraram que estão «decididos a realizar esforços sem precedentes para assegurar o futuro das novas gerações» e a «intensificar os esforços internacionais» de luta contra as alterações climáticas.

O APELO / A declaração subscrita entre o governante chinês e o francês chama a «todos os países, as autoridades internacionais, as empresas e as organizações não governamentais» a publicitar até ao próximo ano suas estratégias de desenvolvimento de longo prazo até ao 2050 para uma menor emissão de gases de efeito de estufa, numa alusão clara ao Governo federal de Estados Unidos, cujo presidente, Donald Trump, acaba de iniciar/dar início esta mesma semana os trâmites para abandonar o acordo.

Igualmente, Macron e Xi instaram a ratificar «o mais cedo possível» a reforma de Kigali ao Protocolo de Montreal em relação ao clima que «pode impedir até 0,4 graus de sobreaquecimento de aqui em finais de século».

CONTRIBUIÇÃO ECONÓMICA / Em relação ao novo objetivo que fixam para os países desenvolvidos de investir 100.000 milhões de dólares anuais (90.200 milhões de euros) na luta contra as alterações climáticas até ao 2025, ambos dirigentes destacaram que o denominado fundo verde criado pela ONU «joga um papel essencial» para mobilizar recursos financeiros para os países em desenvolvimento.

«Temos intercambiado visitas a nossos respetivos países pelo 55º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas e temos elevado o nível dos laços entre China e França», destacou o presidente Xi na sua intervenção. O dirigente chinês voltou a defender o sistema multilateral de comércio, a abertura e a cooperação de benefício mútuo em contraposição com «a lei da jungla e a intimidação», noutra velada mas clara referência a Estados Unidos, país com quem mantém uma {enconada} guerra comercial desde Março de 2018.