+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Violência de género

 

M. Fernández-Palacios Gordon
11/01/2019

{Apre} No caminho de conquistar Andaluzia, O PP se ajoelha perante {Vox} e cópia/copia seus argumentos para misturar tudo tipo de violências, diluindo a de género. Quando se igualam as {barbaries}, acaba-se menosprezando a envergadura de um problema tão real e brutal como é o {machismo} criminoso/criminal que em 15 anos, desde que existem registos, deixou 100 mortes –mais que meio século da dorido talho do terrorismo etarra– enquanto {obstaculiza} a igualdade efetiva e real entre homem e mulher.

O Pacto da Vergonha, às escondidas e com o {beneplácito} de {Cs}, nega o medo a correr só, a voltar de noite,… e retira ferro aos cobardes que, valendo's de sua maior força física, consideram que a mulher está a sua disposição; ou aos que acreditam que sua companheira é de sua propriedade e não tem direito a iniciar/dar início uma nova vida.

Que se inteirem de uma vez por todas: a violência de género é singular porque assassina e viola-de-arco mulheres pelo simples facto/feito de ser mulheres.

{IN} {MEMORIAM}

Dom Santiago

Carlos González Méndez

Mérida

Hace uns dias celebrou-se na catedral de Badajoz o funeral por dom Santiago García Aracil, arcebispo emérito de Mérida Badajoz. Foi uma cerimónia digna, emocionante e na qual estiveram as mais altas autoridades da comunidade autónoma, mais de cem padres e um nutrido grupo de fiéis.

Mas como nos costuma passar com frequência quando nos {despedimos} duma pessoa à que temos sentido próxima, saímos da cerimónia com um certo sentimento de culpa: teria que terle chamado, teria que terle escrito/documento, deveria terle dito...

Dom Santiago foi um homem de carácter que governou a diocese como melhor soube. Ninguém poderá dizer que não se capotou nela, na atenção humana e espiritual dos fiéis a ele encarregados.

Para minha mulher e para meu foi uma pessoa próxima à que devemos muito. Nos ensinou o carácter diocesano, de comunidade, de família da nossa fé. Nos deu responsabilidade e total confiança para exercê-la. Sempre esteve próximo e afável.

Era valenciano. Isso quer dizer um carácter forte, mas governar não pode ser contentar a todos. Sempre teve especial cumplicidade com os laicos, com seus irmãos padres podia ser mais duro e cortante. E foi especialmente beligerante na defesa de direitos da família como a educação moral dos filhos e o papel e a importância do professorado de religião.

Deveria terle dito.. deveria terle escrito/documento… Deveria... Dom Santiago nos deixou uma ultima ensino com sua morte, como o {Cid} em sua terra: não {escatimemos} o agradecimento, não deixemos de dizer aos que temos perto o importantes que são para nós, não esperemos a sair de um funeral para sentir-nos mau por não ter facto/feito tudo o que nosso coração e nossa cabeça nos dizia.

REDES SOCIAIS

Pendentes em excesso

{Laura} Rocha

Barcelona

Hoy, falando com umas amigas, me dei conta da dependência que temos todos de {WhatsApp}. Para ficar com teus amigos, para conhecer a alguém, para falar com teus pais, mesmo para conseguir um trabalho. É a rede social por excelência e acredito/acho que nos está matando aos poucos. Porque se não {contestas} durante horas está mau, porque se não {escribes} com {emoticonos} {estás} mau, porque se não {lees} o que escreve um grupo é que não {tienes} interesse/juro. Mantemos uma vinculação emotiva tão grande com esta rede que nos estamos carregando as relações pessoais reais por {malentendidos} em linha. Se {WhatsApp} se cai definitivamente, ¿nessa altura acaba-se o mundo?