+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

{Bohemian} {Mercury}

 

FRANCISCO Rodríguez Criado
27/02/2019

Dos filmes premiadas na recente gala dos Oscar só/sozinho tenho podido ver um par delas: Roma e {Bohemian} {Rhapsody}. Não posso falar portanto das bondades ou os defeitos de {Green} {Book}, Tem nascido uma estrela ou A favorita. E se bem Roma me tem parecido um grande filme, prefiro {abstenerme} de opinar em termos cinematográficos sobre/em relação a {Bohemian} {Rhapsody} –embora sim o farei desde o sentimento.

Lembrança que a vi só/sozinho no cinema, uma noite de sábado na qual me tinha escapado destas quatro paredes com a pretensão de respirar ar puro. Aquela noite {regresé} bucólico a casa baixo/sob/debaixo de uma fina capa de chuva após ver um filme que me tinha devolvido a minha pré-adolescência, quando {Freddy} {Mercury} emergia qual deus grego com sua contundente voz para fazer-nos acreditar/achar a seus seguidores que mesmo os sonhos impossíveis podem fazer-se realidade.

Nessa altura {Mercury} me parecia o melhor cantor rock do planeta, opinião que continuo/sigo mantendo. Mas não era só/sozinho sua voz, era sua posta em cena, seu misticismo, seu carisma extravertido à frente duma grupo/ponta de rock que conseguiu ser muito mais que uma grupo/ponta de rock. {Mercury} era para mim algo mais que um músico: ele encarnava, com seu talento e suas extravagâncias, essa vida pródiga que está ao outro lado do espelho.

Mas a vida e os sonhos do melhor cantora do mundo não duraram muito, se bem sua esteira, sua lenda e sua música seguem/continuam vivas. {Bohemian} {Rhapsody} recolhe/expressa toda essa fascinação e nos a serve, em pouco/bocado mais de duas horas, ao serviço do mito. No filme não vi ao galardoado {Rami} {Malek}, mas ao {mismísimo} {Freddy} {Mercury} e, em última instância, me vi a mim quando eu ainda não sabia que ao outro lado do espelho continua a estar este prosaico mundo.

Para mim {Bohemian} {Rhapsody} não é um filme, é o {retazo} mais fogoso de minha vida, essa época na qual eu começava –e talvez terminava– a {coquetear} com o traiçoeiro império dos sonhos.

* Escritor