+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Uma viagem virtual ao passado

Uma empresa emeritense apresenta um projeto que permitirá conhecer como era o templo de Alvo no século I d.C., através de umas óculos com tecnologia 3D que possibilitam uma experiência muito realista

 

CARMEN HIDALGO
09/05/2019

¿Se imagina aceder ao interior do templo de Alvo em plenário/pleno século I d.C., poder/conseguir equipar-se com um capacete e um escudo e percorrer ataviado de romano as estadias do monumento? Pois bem, isto será possível graças a um inovador projeto de realidade virtual, posto em marcha pela empresa emeritense {Prexenz}, que permitirá aos cidadãos e visitantes usufruir de um viagem ao passado tão somente pondo-se umas óculos. O presidente da Câmara Municipal de Mérida, Antonio Rodríguez Osuna, e a diretora executiva de {Prexenz}, María Acevedo, apresentaram ontem esta iniciativa tecnológica que dará um recurso mais para conhecer a história duma maneira originalíssima, cuja posta em serviço prevê-se para este verão. «Nossa ideia é estender isto ao conjunto/clube de monumentos da cidade como um atrativo turístico mais», manifestou Osuna.

O regedor municipal explicou que desde o governo local decidiram apostar há um ano por esta empresa, que estava no {semillero} empresarial para empreendedores do centro {Urban}, porque lhes pareceu uma proposta «impactante». Desta forma, e com o aconselhamiento do consórcio da cidade monumental, a Câmara Municipal encarregou este projeto que, hoje é uma primeira versão, por um montante de 9.000 euros. «Nossa ideia é seguir/continuar promovendo este tipo de tecnologia para que o turista, para além de ver o monumento, possa recriar como era a vida de {Emerita} {Augusta}».

À diferênça das experiências de realidade virtual telemóvel que já existem no mercado, esta aplicação utiliza dispositivos de última geração e um {software} ponteiro de criação de videojogos. «O usuário pode andar pelo recinto e pegar/apanhar objetos com suas mãos sentindo-se parte da sua história», destacou Acevedo, quem assinalou que «tudo está criado em 3D e não há nenhum limite, só/sozinho o espaço físico». Também, cabe destacar que tudo o percurso/percorrido virtual está dotado de pequenas pílulas informativas sobre/em relação a a história do monumento e de sua época.