+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Condenam a 14 anos de cadeia a um treinador por abusos a menores

Por danos morais, o juiz lhe impõe 40.000 euros de indemnização

 

C.H. MÉRIDA
11/10/2019

A Secção Terceira da Audiência Provincial de Badajoz tem condenado a 14 anos de cadeia a J.M.M., um treinador de futebol e policia municipal de Don Benito, por abusos sexuais cometidos sobre/em relação a três menores de 16 anos aos que treinava, com o agravante de relação de superiodidade. A sentença, que pode ser recorrida perante o Tribunal Superior de Justicia de Extremadura, impõe também ao acusado/arguido uma indemnização de 20.000 euros pelos danos morais ocasionado ao menor que sofreu os abusos mais graves e de 12.000 euros a cada um dos outros. Também deverá de pagar as custas judiciais.

Concretamente, pelos abusos de maior gravidade a um dos menores, o juiz impõe uma pena de cinco anos de prisão, enquanto pelos outros dois casos acorda quatro anos e meio de cadeia por cada um. Além disso, o magistrado ordena a inabilitação especial para qualquer profissão ou ofício, seja ou não retribuído, que implique contacto regular/orientar e direto com menores de idade por um tempo superior em quatro anos à duração das penas de prisão impostas.

O condenado não poderá aproximar-se de menos de 200 metros da pessoa das vítimas, bem como a seu domicílio ou qualquer outro lugar que frequentem, e terá a proibição de comunicar-se com as vítimas por qualquer meio eletrónico, telemático, informático ou de qualquer outra natureza por um tempo superior de dois anos ao da duração das penas de prisão impostas.

Cabe {recordar} que a procuradoria e a acusação particular pediam para o acusado/arguido uma pena de 18 anos de cadeia, 12 de inabilitação como policia municipal e 7 de afastamento das vítimas. Por seu lado, a defesa reclamava a livre absolvição. O juízo celebrou-se faz duas semanas em Mérida à porta fechada para proteger a intimidade das vítimas.

O caso saiu à luz em Agosto de 2017 e desde então J.M.M. está em prisão provisória. Uma das vítimas apresentou uma denúncia na qual manifestava que o detido, após jogar um jogo/partido, lhe tinha convidado a comer a seu domicílio e foi ali onde alegadamente abusou dele. A esta denúncia se somaram os outros dois menores. A detenção se produziu o dia posterior à denúncia.