+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Vara: «O presidente e o ministro estão tão incomodativos como nós pelo comboio»

Assegura que «não temos de procurar culpados, mas responsáveis» e convoca o Pacto pelo Caminho de ferro. {Ábalos} anuncia que comparecerá no Congresso para explicar o acontecido e dar soluções

 

Fernández Vara e o ministro de Fomento, José Luis Ábalos, numa conferência de imprensa em Outubro em Mérida. - O {PERIÒDICO}

P. C. region@extremadura.elperiodico.com MÉRIDA
04/01/2019

Tenho falado com o presidente do Governo e com o ministro de Fomento e os dois estão tão incomodativos como o podemos estar nós». Assim o manifestou ontem em conferência de imprensa o presidente da Junta, Guillermo Fernández Vara, após os graves incidentes acontecidos com o comboio na região no início do ano. «É insustentável; não pode voltar a acontecer nunca», enfatizou, e apelou à «unidade de ação» para «agora mais que nunca» exigir que se cumpram os compromissos do Pacto pelo Caminho de ferro e «que se possam adiantar os prazos previstos». A unidade de ação «é fundamental», insistiu, enquanto lamentou que alguns líderes políticos estejam utilizando este problema como arma eleitoral. «A mim não me vão a arrastar», assinalou, porque «temos de tirar do rédito político um serviço de interesse/juro público. Não se pode fazer um uso partidarista com este problema», reclamou. Pouco/bocado depois de/após estas manifestações, o ministro de Fomento, José Luis Ábalos, anunciou via twitter que ontem mesmo ia a solicitar uma comparência no Congresso dos Deputados para explicar o acontecido e dar soluções.

Para Fernández Vara, «não temos de procurar culpados, mas responsáveis, que solucionem o problema»; e estes estão em «{Renfe}, {Adif} e também no Ministério de Fomento como estamento superior».

O presidente extremenho avançou que após as férias de Natal se convocará o Pacto pelo Caminho de ferro (do qual fazem parte os partidos com representação parlamentar, as assembleias provinciais, sindicatos, patronal) para «ratificar os compromissos e adiantar prazos»; e manifestou que «agora mais que nunca faz sentido um Conselho de Ministros aqui». Em relação a isto, perguntado/questionado pelas palavras do presidente da Câmara Municipal de Mérida sobre/em relação a que ele não vai a receber/acolher ao Governo com comboios assim, Fernández Vara se manteve em que o importante agora é a unidade de ação; e salientou que «trata-se de um problema de pessoas, e para mim isso é o primeiro».

«Não são minhas EXIGÊNCIAS» // «Não são minhas exigências, são nossas exigências, as que marque o Pacto pelo Caminho de ferro», insistiu, para apontar que a reivindicação extremenha é que o Governo central cumpra estritamente os prazos marcados, tanto/golo para a alta velocidade como para a conexão ferroviária entre Mérida (Badajoz) e {Puertollano} (Ciudad Real). Segundo a programação prevista, em finais de neste ano estarão finalizadas as obras da alta velocidade extremenha (Badajoz-Mérida Cáceres-Plasencia). Em 2020, se {electrificará} a via e entrarão em funcionamento os denominados comboios híbridos, cujas características técnicas permitem seu uso tanto/golo em via de alta velocidade como em convencional. Também, Fomento seguirá/continuará com as fases de implantação do modelo 599 para a Média/meia Distância, pois às cinco unidades que já chegaram em 2018 se somarão três em Fevereiro e outras três em Maio, segundo anunciou em Outubro o ministro em seu visita à região.

Segundo Fernández Vara, as avarias podem acontecer, «mas não o que se corra o risco» de que as mesmas possam derivar em situações como a registada nas imediações de Navalmoral de la Mata, onde um comboio ficou desempregado/parado sem luz nem aquecimento com 163 viajantes a bordo o dia de Ano Bom.

Diante da gravidade do acontecido com todas as incidências do comboio na região no início do ano, e as repercussões que têm tido em toda A Espanha, o ministro do ramo tem solicitado comparecer no Congresso «para informar sobre/em relação a o défice das infraestruturas e os serviços ferroviários na Extremadura, as últimas incidências e as medidas ocasos em marcha para sua resolução e prevenção», pendurou ontem em sua conta de twitter.