+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Sus ‘senhorias’ do Rodríguez Moñino

Una trintena de alunos de Ensino secundário debatem por um dia na Assembleia

 

Deputados por um dia 8 Os alunos do {IES} no hemiciclo. - ASSEMBLEIA

LAURA CARROZA (EFE) MÉRIDA
08/05/2019

Una trintena de alunos do {IES} Rodríguez Moñino de Badajoz tornaram-se ontem em deputados por um dia ao mudar as salas de aula pela Asamblea de Extremadura para propor, debater e aprovar quatro proposições legislativas elaboradas por eles mesmos sobre/em relação a temas tão {candentes} como a eutanásia, a natalidade ou o desemprego juvenil.

{Rebeca}, {Irene}, Carlos e Guillermo, junto a outros 29 companheiros de 4º de ESO e 1º de Ensino secundário e professores do centro, apresentaram o resultado deste projeto que se enquadra num programa de debate escolar voluntário no qual levam trabalhando desde no passado mês de Outubro. A iniciativa pretende potenciar a capacidade de falar em público e defender as ideias próprias, aspetos «importantes» que não se abordam na educação {reglada}, segundo precisou a diretora do centro e coordenadora do projeto, Belén Barroso Carbajo.

Deste modo, os alunos trabalham quatro âmbitos diferentes divididos em comissões e elaboram um trabalho de investigação que, por último, se apresenta em forma de projeto de lei e leva-se ao ‘Parlamento’ para defendê-lo num discurso. «Não vêm a representar nenhuma formação política; trato de desvinculá-los por completo do âmbito político porque seria uma falta de respeito até os alunos, mas lhes deixo que se agrupem livremente para que defendam suas próprias ideias», matizou/precisou Barroso.

{Rebeca} é a presidenta da Comissão de Saúde, formada por nove estudantes que defendem uma vacinação gratuita e de carácter obrigatório para todos os cidadãos contra as doenças infeciosas, bem como a legalização da eutanásia sob controlo psicológico para doentes terminais que «estão a sofrer». Esta aluna de 4º de ESO confessou que o projeto foi «duro», não obstante, agora pode ver os resultados de um trabalho «enriquecedor» com o que tem aprendido a defender suas ideias em público e respeitar aos seus companheiros.