+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

O SES, disposto a negociar agora uns novos serviços mínimos

 

Protesto dos trabalhadores de Ambulâncias Don juan, no passado 7 de Outubro em Cáceres. - FRANCIS VILLEGAS

25/10/2019

El SES negociará unos nuevos servicios mínimos para la huelga indefinida que los trabajadores de {Ambulancias} {Tenorio} tienen previsto iniciar a partir del 1 de noviembre. A medida afetaria aos postos necessários para essas jornadas no centro coordenador e também se poderiam diminuir entre os transferências consideradas não urgentes (as altas e reabilitações) tal como pediam os sindicatos.

Ontem quinta-feira se tinha fixado uma vista no Tribunal Superior de Justicia de Extremadura (TSJEx) pela procura interposta por UGT pelos serviços mínimos fixados para as ações de protesto convocadas em Outubro e Novembro, que ascendiam ao 100% e nos que consideravam que a empresa tinha excedido as considerações da ordem/disposição do SES. A vista não chegou a celebrar-se, depois de/após que o letrado de UGT optasse por retirar a procura no decurso do ato de conciliação prévio. Segundo explicou, nesse encontro o SES deu uma resolução administrativa complementar à ordem/disposição inicial, que não se tinha facto/feito pública, e na qual acrescentava aos serviços mínimos do 100% para as urgências e todos os programados, o mesmo critério para organizar o centro coordenador durante as ações de protesto.

«Essa resolução só/sozinho comunicou-se-lhe à empresa. Por isso com isso entendemos que a empresa atuou seguindo/continuando os serviços mínimos impostos pelo SES, com independência que estes possam ser considerados abusivos», explicou Jesús Bermejo, letrado da Federação de Serviços Públicos de UGT na Extremadura.

El advogado se reservou o direito a apresentar uma nova procura contra a administração regional, embora não fá-lo-ão por enquanto, à espera de ver em que ficam os novos serviços mínimos após a negociação proposta pelo SES. «Segundo nos transferiram, vão a negociar e vão a fixar uns novos serviços mínimos, em relação ao centro coordenador», disse Bermejo. Também se estudarão em todo o âmbito que não é urgente nem transporte singularizado, que é o que transfere aos pacientes aos tratamentos de diálise e de quimioterapia. «Neste tipo de serviços, como nos urgentes, só/sozinho pode ter uns serviços mínimos do 100% e é compreensível», reconheceu.

A ideia é que se fixe para a greve fixada desde o dia 1 uma quantidade/quantia de trabalhadores similar à que pode ter durante o fim-de-semana e os feriados, tanto/golo na escritório de Mérida como para os trabalhadores destinados aos serviços de reabilitações e altas. A letrada do SES rejeitou fazer declarações. r. pedreiro