+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Monago {afea} à Junta que celebre a possível compra do Grupo Gallardo

«Me envergonha que aplauda que possa deixar de ser extremenho», diz

 

REDACCIÓN CÁCERES
22/08/2019

O presidente do PP extremenho, José Antonio Monago, manifestou seu «estupor» pela «irresponsável atitude» da Junta ao «celebrar» a possível aquisição da Siderúrgica Grupo Gallardo por parte do fundo de investimentos estado-unidense {KKR}, «sem nem sequer ter falado com a empresa».

«Me envergonha que a Junta aplauda que uma empresa possa deixar de ser extremenha», assegurou o líder do Partido Popular, segundo recolhe/expressa essa formação numa nota de imprensa.

Tem apelidado como «lamentável» que a Junta tenha saído a «celebrar» a alegada compra do grupo extremenho por parte de um fundo estrangeiro, «sem ter tido nem a {deferencia} de falar antes com o empresário», quem «felizmente tem desmentido que a perda da titularidade extremenha seja já um facto/feito».

Para Monago, resulta «tristíssimo» comprovar que para o Executivo extremenho «as empresas extremenhas não têm nenhum valor».

Considera que temos de ser «muito insensível e irresponsável» para «sair correndo a dar-lhe as boas-vindas/bem-vinda» a um fundo de investimentos norte-americano e «nem sequer chamar ao empresário extremenho para perguntar-lhe se é verdade ou não que tem vendido uma companhia que é tudo um símbolo para esta terra».

«Menos mal que nossos empresários não atiram a toalha como a Junta», tem indicado José Antonio Monago para salientar depois: «se a Junta vê com bons olhos que os estado-unidenses comprem o Grupo Gallardo, eu vejo com bons olhos que Gallardo se resista e continue procurando alternativas, apesar do absoluto abandono do governo regional».

Além disso, tem lamentado que desde o Executivo socialista «se ponha o tapete vermelha ao ‘{Open} {Arms}’, enquanto aos empresários se lhes ensina a porta e aos jovens se lhes condena a fazer a mala».