+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

{Leire} Igrejas pede conhecer o estudo de viabilidade para acordar o traçado da {A-43}

A conselheira recorda que se têm investido já 25 milhões em melhorias

 

EFE
25/10/2019

A conselheira de Mobilidade, Transporte e Habitação, {Leire} Igrejas, assinala que para chegar a um acordo com Castela-A Mancha sobre/em relação a o traçado da futura {A-43} a seu passo pela província de Badajoz é necessário conhecer o estudo de viabilidade do Ministério de Fomento. «Não se pode chegar a um acordo em função de critérios de oportunidade», mas se devem dar estudos, reflexões e dados de impacto de circulação/trânsito, entre outros, assegura.

Também, informa que Fomento convocará uma reunião, para a que ainda não se conhece data, onde se falará da infraestrutura e na qual o Executivo regional será «exigente» para que se desenvolva com a segurança «necessária».

Igrejas destaca além disso que se têm destinado perto de 25 milhões de euros a reverter a «grave» situação de sinistralidade em diferentes troços da N-430 que afetam a Extremadura, já que enquanto se resolve o traçado das autoestradas supraregionais se podem estabelecer condições de segurança, assegurou.

A conselheira salienta também que o Ministério está investindo «mais que nunca» nas infraestruturas vias e ferroviárias da região.

A aspiração da Junta é que este impulso das investimentos por parte do Governo central não «decaia» e completar, não só/sozinho os processos no caminho de ferro, mas também as obras pendentes em autoestradas e estradas como a {A-43} e a N-110.

CONGRESSO / Igrejas fez estas declarações no X Congresso de Inovação Ferroviária, na qual os investigadores universitários e engenheiros têm posto em comum iniciativas de inovação ferroviária em matéria de infraestrutura, instalações, manutenção ou segurança.

Estas jornadas, organizadas pela UNED e a Universidade Carlos III de Madrid, pretendem aproximar a inovação no mundo do caminho de ferro a lugares como Extremadura onde se «luta» por umas infraestruturas ferroviárias «dignas», assinala o presidente do Comité Organizador, Francisco Javier González.