+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Comunidade terapêutica

 

01/07/2019

O Projeto Homem, que desenvolvem conjuntamente as Diocese de Coria-Cáceres e Plasencia, conta na Extremadura com sete profissionais e dois recursos: um programa ambulatório na capital cacerenha onde tratam-se principalmente as dependências à cocaína e o álcool, e uma comunidade terapêutica em Plasencia (na Serra de Santa Bárbara, embora a fase de acolhimento se desenvolve na rua Coria). Na fase {ambulatoria} se trabalha em grupos terapêuticos dois dias à semana e sempre em horário de tarde para facilitar o acesso ao programa sem que isso impeça ao usuário seguir/continuar com seu ritmo de vida habitual.

Trata-se de pessoas com uma «vida estruturada» que se calhar estão numa fase inicial do consumo de substâncias ou nos que este se limita aos fins-de-semana. «Não há uma perda dessa rede familiar, social ou laboral, que noutros casos sim se pode dar e que faz mais aconselhável o tratamento interno», precisa Branca González Santos, terapeuta de Projeto Homem em Plasencia.

Este tratamento interno realiza-se no recurso do qual se dispõe em Plasencia, e que conta com uma vintena de praças/vagas. Ali os usuários permanecem em regime semi-abandonado de segunda-feira a sexta-feira. «Se trabalha com elas não só/sozinho a parte da abstinência, mas também tudo o que implica a conduta {adictiva}, as razões pelas que se gerou. Trata-se de estruturar sua vida: de ter umas normas, pôr uns limites, uns horários... Em definitiva, de que saibam organizar sua vida a todos os níveis».

A fase de comunidade terapêutica se prolonga entre nove meses e um ano. «Vai variando em função da pessoa e da evolução que leve no processo», salienta González. Uma vez que este período acaba, ainda não se recebe o alta. «Se passa a uma fase de reinserção social, que dura nove meses e onde o que se faz é consolidar e levar à vida real todos aqueles objetivos que se têm ido marcando durante a comunidade terapêutica», resume. Nesta etapa, de seguimento, apoio e orientação, se faz finca-pé no âmbito laboral, as relações familiares e de amizade, o lazer ou a resolução de conflitos. Chegados a este ponto a assistência ao programa vai-se distanciando de maneira {paulatina} até que, finalmente, se lhes pode dar o alta. REDAÇÃO