+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

A Central de Almaraz supera seu recorde de produção elétrica

As obras do Armazém Temporal Individualizado ({ATI}) já estão concluídas. Supôs um 27% de toda a eletricidade produzida pelas nucleares espanholas

 

José María Bernaldo de Quirós ({izda}.) e o novo diretor da central, Rafael Campos, estreitam suas mãos ontem. - TONI GUDIEL

E. B.
19/04/2018

La Central {Nuclear} de Almaraz cerró el 2017 superando su récord anual de generación eléctrica. O ano passado a produção bruta de seus dois unidades somou 16.986 milhões de {kilovatios}/hora (kWh) e em termos netos alcançou os 16.347 milhões de kWh, cifras ambas que não se tinham obtido até agora em suas três décadas e média/meia de atividade. La energia gerada pela planta cacerenha supôs um 27% de toda a eletricidade produzida pelas centrais nucleares espanholas e um 6,4% da procura elétrica do país.

Estes dados deram-se a conhecer ontem durante a apresentação do relatório/informe de atividade da central correspondente ao segundo semestre de 2017. Foi o último que tem correspondido debulhar a José María Bernaldo de Quirós, que no início deste mês cedeu a testemunha na direção da central a Rafael Campos, quem chegou procedente da central de {Cofrentes} (Valência), onde ocupava este mesmo cargo. No ato também tomaram parte o diretor de Organização e Recursos Humanos de Centrais Nucleares Almaraz-Trillo, José Fernando Murga, e o chefe de Relações Institucionais da Central de Almaraz, {Aniceto} González.

«Durante no passado ano as duas unidades têm funcionado a plenário/pleno rendimento, com poucas incidências», resumiu Bernaldo de Quirós. Com 8.048,1 milhões de kWh, a produção foi menor na unidade I da central, que esteve paragem/desempregada/parada algo mais de um mês para ser feito a recarga/recarrega de combustível de seu reator. Os restantes 8.937,9 milhões de kWh de energia elétrica bruta foram gerados pela unidade II. «La planta está melhor que nunca», salientou o diretor saliente. «Esta modernizada e atualizada, e temos renovado toda nossa plantel/quadro», acrescentou.

Igualmente, quis destacar que o contributo da tecnologia nuclear ao mix elétrico espanhol «se mantém e continua a ser a maior de todas as energias». «Em torno de um 21% da energia elétrica deste país a produzem as centrais nucleares. É importante salientarlo: ano após ano, e com a mesma potencia instalada, se continua a estar à cabeça da produção, o que fala bem às claras do que é a fiabilidade das plantas espanholas», anotou.

RENOVAÇÃO DA LICENÇA/ Almaraz será a primeira das centrais nucleares espanholas em enfrentar o processo de renovação de sua licença para poder/conseguir seguir/continuar operando mais além de 2020. Bernaldo de Quirós precisou que no caso de que as empresas proprietárias da central (Iberdrola, com um 52,7%; Endesa com um 36%; e Gas Natural Fenosa com um 11,3%) {quisieran} solicitar a prorrogação da licença de exploração, teriam que fazê-lo antes de Março de 2019 «nos termos» que as próprias empresas decidam, pelo que não confirmou se essa petição/pedido se realizará ou não. No caso de que Lei de Alterações Climáticas e Transição Energética se promulgasse antes de essa data, o limite seria de dois meses a partir da publicação da norma.

Não obstante, incidiu em que, em termos económicos, «para a zona seria uma catástrofe que a central {cerrara}» porque, assegurou, «não é verdade que quando se fecha uma planta as pessoas que trabalha nela [nas trabalhos de desmantelamento] seja a mesma que em operação normal/simples».

Por seu lado, Rafael Campos considerou como «um repto/objetivo» o que Almaraz possa ser a primeira central em ter que abordar a renovação de sua licença e converter-se assim em «uma referência» para as demais. «La central está modernizada, a equipa é jovem. Se há futuro, certamente estaremos preparados para enfrentá-lo», concluiu.

Um futuro que incluirá necessariamente o Armazém Temporal Individualizado ({ATI}) para os resíduos de alta atividade que atualmente albergam as piscinas de seus reatores, perto já de saturar-se. La construção deste armazém já tem finalizado, e também se têm realizado as provas com contentor. Unicamente se está à espera das últimas autorizações administrativas. La previsão é carregar o primeiro contentor em finais de este primeiro semestre.