+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

«Cada dia dou as graças por ter-me facto/feito essa prova»

Ao cacerenho Antonio Luna lhe detetaram após o teste de sangue em fezes que tinha um pólipo maligno H Chegou justo a tempo e graças a essa prova inicial «tão simples» sua vida melhorou: «Me sinto muito melhor que antes»

 

G. M.
07/04/2019

Lhe pediram que passasse a seus contactos de {WhatsApp} informação sobre/em relação a o novo programa de peneirado do cancro de {colón} e decidiu aplicar-se-la a ele mesmo também. Tinha 58 anos e não estava incluído nessa altura dentro dos usuários potenciais dessa primeira ronda do programa de peneirado (era para os extremenhos de 60 a 64 anos), mas foi a seu médico de cabeceira para que se a fizessem porque «tinha a mosca detrás de a orelha». E essa prova, pode dizer-se, que lhe salvou a vida a Antonio Luna.

«A prova em si não supõe nada, é molhar um {palito} em tuas fezes durante três dias. Isso o {llevas} ao centro de saúde para que te o analisem e se detetam que há sangue em dois dos três {palitos} isso é um positivo e só/sozinho nessa altura te fazem a {colonoscopia}», conta este cacerenho. «Por nessa altura tinha {hemorroides} por isso {volví} a fazer-me a prova e, de novo, deu positivo».

Por isso Antonio teve que fazer-se uma {colonoscopia} e aí lhe detetaram e lhe retiraram nesse mesmo momento um pólipo que resultou, após sua análise, que era maligno. Vários meses depois lhe operaram para limparle a zona e lhe fizeram diferentes provas (ressonância, {biopsia}...) nas que comprovaram que estava limpo de qualquer célula maligna. «Cada dia dou graças por ter-me facto/feito essa prova, felizmente não necessitei nada mais mas se calhar se tivesse tardado mais tempo em ir ao médico teriam que ter-me dado radioterapia ou quimioterapia ou quem sabe se poderia ter já solução. Vale a pena muito ir a essa prova. É simples e insignificante mas pode salvar-te a vida», conta Antonio.

Sua vida mudou radicalmente desde então. «Quando me retiraram o pólipo {mejoré} totalmente, se me retiraram as {hemorroides}, {volví} a ter a força que tinha antes... a melhoria foi total e isso supõe ter uma vida sara e alegre, e retirar-me essa preocupação da cabeça porque estava todos os dias com a mosca detrás de a orelha». Com sua experiência quer animar a toda essa pessoas que não vai a esta cita/marcação/encontro com o médico. «É uma prova que não dói, não incomoda e pode salvar-te a vida», insiste.