+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Uma mulher morre esmagada pelo comboio à altura de um passo a nível

{Adif} esclarece que a barreira estava descida e o semáforo em vermelho para os viandantes

 

Os sanitários, junto à vítima após registar-se o atropelamento na via do comboio, ontem de manhã. - EL PERIÓDICO

NIEVES AGUT prov-caceres@extremadura.elperiódico.com NAVALMORAL DE LA MATA
08/05/2019

Uma mulher, vizinha de {Rosalejo} e de 61 anos, faleceu ontem de manhã esmagada pelo comboio que cobre a linha Madrid-Zafra a seu passo por Navalmoral de la Mata. O acontecimento teve lugar justo no passo a nível situado no quilómetro 200,037, que corresponde com a rua Pablo Luengo. Concretamente, trata-se de uma semibarreira tipo C. O acidente se registou sobre/em relação a as 12.30 horas e, segundo informou {Adif} {-} Administrador de Infraestruturas Ferroviárias- os sistemas de segurança funcionavam corretamente, já que nesse momento o semáforo estava com a luz vermelha acesa, bem como a barreira baixa como indicação de proibido o passo para os viandantes pelo que se desconhece o motivo pelo qual a mulher estava na via no momento no qual passava o comboio. Após conhecer-se o incidente, a circulação/trânsito ficou interrompida até que o comboio pôde continuar a marcha com os passageiros dentro com uma demora duma hora.

A falecida é Marina Roura Gómez, galega, de 61 anos, médica residente em {Rosalejo} que estava pré-reformada por doença, a qual, segundo testemunhas, ia olhando o telemóvel no momento do acidente. Até ao lugar do sinistro se transferiram a Ambulância Medicalizada do Servicio Extremeño de Salud (SES), bem como Guardia Civil e policia municipal.

Acontece que nestes últimos meses a rede ferroviária em Navalmoral foi um dos temas tratados por partidos políticos e coletivos locais que reclamam, desde há tempo, que a futura linha do comboio de alta velocidade que cruzará a cidade vá soterrada, alegando para isso que assim se garantiria «uma maior segurança para os cidadãos».

Com um destes fins se criou uma Plataforma Cidadã que solicita o {soterramiento} da linha e que esta não vá em superfície dado que implicaria a construção de um muro que dividiria a cidade e contra o qual recolheu 4.035 firmas/assinaturas para expressar a rejeição ao projeto que {ADIF} tem previsto executar para modernizar a linha de comboio Madrid-Plasencia-Cáceres-Mérida-Badajoz, como comboio de altas prestações, a seu passo pela cidade.

Também a Câmara Municipal aprovou uma moção assinada por todos os grupos municipais (PSOE, PP, Independentes por Navalmoral, Ciudadanos, Extremenhos, Esquerda Unida-Os Verdes-) na qual se instou a dar uma solução soterrada ao projeto.

{Milana} Bonita / Por seu lado, a Plataforma Cidadã {Milana} Bonita reiterou a necessidade de «melhorar a segurança da linha ferroviária a seu passo por Castela La Mancha e Extremadura», e expressou seu pêsame e lamentou o falecimento desta mulher, sobre/em relação a o que. segundo assinalou, «não entra em procurar culpados deste facto/feito, unicamente expressar suas condolências a familiares e amigos da falecida».