+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Oficinas para rejuvenescer a mente

Trabalhadores do Grupo de Ação Local do Valle del Jerte, Soprodevaje, realizam oficinas dirigidos a pessoas maiores/ancianidade de 65 anos duma dezena de municípios da região com o objetivo de que «os povos/povoações se mantenham vivos e povoados»

 

ALEX DE MATÍAS
07/04/2019

Hoje em dia, um dos maiores/ancianidade problemas da sociedade é, sem dúvida, a elevada idade dos vizinhos/moradores de municípios pequenos. Uma população bastante maior e com pouca natalidade em muitas localidades. Mas sempre se pode melhorar essa situação e é o que estão a fazer nos 11 municípios do Valle del Jerte graças a Soprodevaje, que está levando a cabo oficinas sobre/em relação a envelhecimento ativo porque, como dizem na sua web, «têm um alto valor na vida do Valle del Jerte».

É que nesta última semana que se tem falado tanto/golo de despovoamento e envelhecimento na região, Soprodevaje, que leva trabalhando desde 1991, dá seu grãozinho de areia à causa «que se entende como fundamental para o futuro da região, dada a importância que tem arbitrar respostas à problemática do progressivo envelhecimento populacional e do despovoamento territorial», explicava a associação na sua web.

No Valle del Jerte, como em muitas outras zonas rurais, há uma percentagem muito alto de pessoas maiores/ancianidade de 65 anos. Segundo estimações, esta cifra supera o 25% da população, pelo que é um coletivo muito importante ao que temos de atender e procurar sua qualidade de vida, «e mais quando além disso contribuem a que os povos/povoações se mantenham vivos e povoados», comentavam desde Soprodevaje.

Por esse motivo, desde Soprodevaje estão levando a cabo um total de 11 oficinas formativos de envelhecimento ativo, um em cada município da região. Se chegará a umas 200 pessoas para dotar-los das ferramentas e habilidades necessárias para que se mantenham ativas, para reduzir sua dependência e para que sigam/continuem dando «sua inestimável experiência às novas gerações». Também se pretende «promover a participação, o conhecimento, as experiências, incluindo a saúde física, o estado psicológico, o nível de autonomia, as relações sociais ou a relação com o ambiente e a segurança», assinalavam na sua web.

Se dão contidos como a estimulação cognitiva, alimentação saudável, psicomotricidade, saúde afetiva, psíquica e social, risoterapia ou yoga, tudo de forma prática e amena.

Para além de melhorar a qualidade de vida das pessoas maiores/ancianidade dos municípios, também se gera emprego, pois os oficinas os dão quatro mulheres jovens que «dão a conhecer seu trabalho, oferecem seu profissionalismo, experiência e conhecimentos com o objetivo de poder/conseguir seguir/continuar desenvolvendo sua profissão sem ter que abandonar a região», asseguravam desde Soprodevaje.