+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

A Mancomunidad (conjunto de municípios) de {Tentudía} perde 214 habitantes no 2018

Nos nove municípios que a integram desce o número de vizinhos/moradores. Fuente de Cantos contabilizou 68 recenseados menos e Monesterio, sete

 

Imagem da localidade de Monesterio. - RAFA MOLINA

RAFA MOLINA prov-badajoz@extremadura.elperiodico.com MONESTERIO
04/01/2019

L a sangria da despovoamento nos núcleos rurais da Extremadura também se tem cevado com os municípios que conformam a Mancomunidad (conjunto de municípios) de {Tentudía}. Segundo os dados oferecidos pelo Instituto/liceu Nacional de Estatística, (INE), referentes ao censo do 2108, os nove municípios que fazem parte deste território perderam 214 habitantes durante o último ano, passando de 20.353 no 2017 a 20.139 no passado ano.

Em maior ou menor quantia, todos os povos/povoações de {Tentudía} perderam vizinhos/moradores durante os últimos 12 meses. O que menos foi Monesterio, que com 4.254 habitantes somente perdeu 7 em relação ao ano anterior (ganharia 3 habitantes segundo os dados do registo municipal), enquanto a localidade que experimento um maior descida/desmpromoção foi Fuente de Cantos, com 68 habitantes menos, embora se mantém como o núcleo urbano com maior população, com 4.784 residentes. Nenhum município da região supera na atualidade os 5.000 habitantes e o povo/vila com menos vizinhos/moradores é {Calera} de León, com 969, com 30 recenseados durante o último ano. Bienvenida perde 21 habitantes; Cabeza la Vaca, 14; Fuentes de León, 9; Montemolín, 36; Segura de León, 23 e {Bodonal} da Serra, 8.

Mercedes Díaz, presidenta da Mancomunidad (conjunto de municípios) de {Tentudía}, qualificou esta situação de «muito preocupante», pelo que considera que uma das «prioridades» quanto às políticas que se estão levando a cabo desde esta associação de municípios «é precisamente a de conseguir manter o número de habitantes na região». Díaz destacou o trabalho que se vem desenvolvendo em matéria de formação, apoio ao sector serviços e {agro} pecuário, e fundamentalmente em turismo. A presidenta da Câmara Municipal de {Calera} de León, considerou «essencial» o desenvolvimento de políticas «que acreditam oportunidades laborais e assentem a população ao território», pôs como exemplo o trabalho desenvolvida durante os últimos anos em Monesterio para a manutenção e a criação de novas empresas, bem como os esforços em promoção externa, que está a dar como resultado «a fixação da sua população e que seja o município que menos habitantes perdeu de toda a região». Díaz acrescentou que estes dados constatam «a necessidade de trabalhamos/trabalhámos unidos», pois na região existem muitos povos/povoações que não são «o suficientemente grandes para que possam funcionar de maneira autónoma».