+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Juan Luis Villalba completa a Titã {Desert} como «grande repto/objetivo e superação pessoal»

O desportista ‘extremo’ é natural de Monesterio

 

Juan Luis Villalba, em Marrocos. - CEDIDA

RAFAEL MOLINA MONESTERIO
08/05/2019

Juan Luis Villalba acaba de regressar a Monesterio após participar numa das provas ciclistas mais duras do mundo: a Titã {Desert}, sobre/em relação a uma distância de 600 quilómetros pelos paisagens mais extremos do planeta: intermináveis planícies, prolongadas dunas, e impressionantes montanhas no deserto de Marrocos.

Villalba tem realizado esta proeza, como «repto/objetivo e superação pessoal», mas sobretudo, com o objetivo de «dar visibilidade à Fundação Josep Carreras e promover a doação de medula óssea», e para oferecer «esperança e ilusão/motivação» a todas aquelas famílias que lutam contra a leucemia, após viver em primeira pessoa a dura e tristonha experiência do falecimento de sua pequena {Irene}, por causa de esta doença. «Algo único, irrepetível, inimaginável e muito gratificante», assim qualifica o ciclista {monesteriense} sua participação nesta competição, na qual a orientação e a resistência, se fazem fundamentais para conseguir cobrir as seis etapas, --mais de 100 quilómetros cada uma--, às que se enfrentam os corredores.

Se o mais duro foram as extremas temperaturas, por momentos superiores aos 50 graus; ao que somar a dificuldade {orográfica} dos percursos/percorridos, Juan Luís; --que quase esteve de atirar a toalha nalguma ocasião--; fica com o mais gratificante, que sem dúvida, foi «chegar a a objetivo/meta» e «conseguir transmitir a mensagem solidário» objeto desta gesta. Também fica com a «convivência entre participantes», que acaba criando vínculos de amizade e solidariedade dificilmente imagináveis.

Para além de a prova desportiva em si, volta «impactado», tanto/golo pela dureza do deserto, como pela «despovoamento e a extrema pobreza» dos moradores. «Podes percorrer etapas de mais de 130 quilómetros por lugares inóspitos sem ver a uma só pessoa», explica Juan Luis.