+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

O Giro-2020 se apresenta mais ‘clássico’ que o Tour

 

SERGI LÓPEZ-EGEA BARCELONA
25/10/2019

O Giro acredita, como foi toda a vida, nos {Dolomitas} e os {Apeninos}. Reza para que não neve, como tantas vezes acontece em Maio (a próxima edição decorrerá entre os dias 9 e 31 desse mês) mas, sobretudo, e à diferênça do Tour e da Volta, segue/continua amando às contrarelógios. Enquanto as rondas francesa e espanhola mantêm essa disciplina baixo/sob/debaixo de mínimos e até parecem tentados para eliminá-las totalmente, em Itália programam três, a última para fulminar o vício de converter a última etapa num simples passeio.

Início em {Budapest} / O Giro 2020 começará em {Budapest}, com um contrarrelógio individual, percorrerá estradas húngaras antes de mudar-se a {Sicilia} para subir ao {Etna} e internar-se logo na península transalpina à procura de mais contrarelógios, como em {Valdobbiadene}, no {Véneto}, antes de procurar o contacto alpino com Madonna di Campiglio, de tristonha lembrança para Quadro {Pantani} porque ali se descobriu em 1999 a batota/logro em seu sangue. Isso não lhe priva de continuar a ser um ídolo e que uma etapa seja dedicada a sua honra com chegada e saída a {Cesenatico}, sua cidade natal.

A etapa reina se tem programado para o último sábado de corrida/curso, antes da contrarrelógio final de Milão. Será um dia {cruél} pelos {Alpes}, com promoção ao {Agnello}, cruzamento fronteiriço a França para subir o {Izoard} e chegada ao Monte {Fraiteve} que não é outra coisa que um alargamento à clássica escalada a {Sestrieres}.

Falta por ver de que maneira afetará ao Giro o facto/feito de que a prova em rota dos Jogos de Tóquio esteja tão colagem/colada ao Tour. Se disputa uma semana depois de/após que os corredores cheguem aos Campos {Elíseos}. Todas as seleções já têm previsto que suas figuras voem desde Paris à capital japonesa sem passar por suas casas. ¿Poderão aguentar a forma para os Jogos aqueles que disputem Giro e Tour? ¿Sairá mais beneficiada a ronda espanhola quanto a participação para o 2020? Ficam meses para resolver ambas questões.