+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

A felicidade vai por bairros

Antúnez diz que o Santa Teresa sobe com justiça, José María Tapia (Villanovense ) que não vê lógico que se possa jogar o ‘{playoff} {express}’ e Luis Puebla (Cacereño) que se celebrará com segurança

 

Euforia 8 A Cruz, no balneário esta época. - SANTA TERESA / UD LA CRUZ / EL PERIÓDICO

Crítico 8 José María Tapia. - SANTA TERESA / UD LA CRUZ / EL PERIÓDICO

J. J. T. / C. P. / J. M. O. deportes@extremadura.elperiodico.com CÁCERES
07/05/2020

O mais feliz dos clubes extremenhos ontem era o Santa Teresa Badajoz, que o próximo curso voltará à elite do futebol feminino espanhol, algo de o que congratulou-se o Feminino Cáceres, rival esta campanha na Liga Repto/objetivo Iberdrola. «Contentíssimo» se confessava seu treinador, Juan Carlos Antúnez, «somos justos campeões». «É muito importante para Extremadura que um clube volte à elite», acrescentava o preparador, que já trabalha para a próxima época, embora ainda, claro, não se sabe quando poderá começar.

No futebol masculino não profissional, Segunda B, Terceira, a alegria foi mais por bairros, embora em nenhum caso foi completa. Não terá descidas e Mérida e Don Benito seguirão/continuarão na categoria/escalão de bronze («uma pena não ter podido terminar a época», dizia o treinador dos {rojiblancos}, Juan García). Em Terceira se salvam {Llerenense}, {Valverdeño} e Valdivia, que eram os que ocupavam as três praças/vagas de descida/desmpromoção.

Por em cima, o Badajoz poderá lutar no campo por subir, que era o que reclamavam tanto/golo o presidente, Joaquín Parra, como os jogadores. Embora só/sozinho será se o coronavirus e Saúde o permitem. Pelo que não é cem por cento seguro que vá a jogar-se o {playoff} expresso proposto pela federação.

«Enjoar a perdiz»

Mais abaixo, em Terceira, o Villanovense, líder do grupo extremenho, não vê viável cumprir com os requisitos para jogar. «Vejo muito difícil cumprir os trâmites e protocolos para as equipas, porque não deixámos de ser uma equipa humilde. Acredito/acho que se temos de jogar e se diz de jogar, o lógico é jogar os dez partidos que ficam. ¿Quando? Pois quando se possa», dizia José María Tapia, presidente do Villanovense, que acredita que o que se faz é «enjoar a perdiz» e criar ainda mais incerteza.

«Para equipas como os nossos é um autêntico disparate porque temos de falar de contratos, de ordenados, porque o futebol não é somente um {playoff} e jogar, tem muitas coisas», incide Tapia, que pede resolver o problema o quanto antes e não deixá-lo no ar. Recorda além disso os grandes desembolsos que seriam necessários para adequar as instalações e fazer os teste a todos os membros da plantel/quadro.

Também expressou suas dúvidas Fernando Pino, jogador do Coria, segundo classificado. «A Federação lhe passa a batata quente a Saúde. ¿Nos permitirão jogar? [...] Complicado», dizia o futebolista celeste, que encarará o {playoff}, se o há, desde/a partir de a segunda posição.

«Vai haver {playoff}». Assim de rotundo foi Luis Puebla, diretor-geral do Cacereño. «O que se ganhe ou se perca tem que ser no terreno de jogo, não estamos de acordo em que não se jogue e, se temos que lutar, {pelearemos} pelo que se tem ganho este clube». Se não se jogasse o {CPC} pedirá que se tenha em conta a última classificação na qual todas as equipas tinham os mesmos partidos jogados e isso é no fim da primeira volta.

«Acredito/acho que Saúde nos permitirá jogar», acrescentava o dirigente verde, que agradeceu à Federação Extremenha de Futebol «o grande estreitamente que está a fazer; nos ajudam em tudo quanto podem». Ontem, em reunião telemática, a territorial informou às clubes que ajudará a cumprir os requisitos sanitários, «algo muito importante»

Nos próximos dias, explicou Puebla, se resolverá que equipas poderão jogar a próxima edição da Copa del Rey, à que em princípio só/sozinho iriam os dois primeiros classificados (Villanovense e Coria). «Tudo isto vai-se a estudar bem», indica o dirigente do Cacereño, que se confessa «muito tranquilo».

Para outros a alegria foi dobro, como a UD La Cruz Villanovense: seu plantel/elenco feminino de futsal jogará por subir a Primeira Divisão e o juvenil de futebol estará o próximo curso em Divisão de Honra junto a Badajoz e Extremadura.