+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Espanha se venha de Alemanha

A seleção de Luis de la Fuente se erige em campeã continental liderada por {Fabián} Ruiz

 

Fabián Ruiz e vários de seus companheiros, festejando o 1-0, obra do jogador do Nápoles. -

{Olmo} eleva com classe acima do guarda-redes alemão no segundo golo. -

ANDREA MONTOLIVO (EFE)
01/07/2019

A seleção de Espanha {sub}-21 conquistou ontem domingo o Europeu da categoria/escalão por quinta vez em sua história, após ganhar por 2-1 a Alemanha no estádio {Dacia} Areia de {Udine} (Itália), e vingar a derrota que os alemães lhes tinham {infligido} na final da anterior edição, há dois anos. Um golaço de Fabián Ruiz na primeira metade, rubricado por outro na reiniciação por Dani Olmo, num jogo/partido de grande sofrimento no qual Alemanha recortou distâncias no 88, coroaram uma geração histórica para Espanha, justo no mesmo dia no qual, em 2017, se rendia aos alemães em {Cracovia}.

O selecionado de Luis De La Fuente, que já tinha sido campeão em 2015 do Europeu {sub}-19 com nove integrantes desta plantel/quadro, tomou-se a desforra mais doce contra a equipa de {Stefan} {Kuntz} e se fez um vazio na história do futebol espanhol.

Era o dia que o selecionado {sub}-21 espanhol levava dois anos esperando e sua vontade de desforra se traduziram num grande começo de jogo/partido, no qual se {apoderó} da bola, encerrou a Alemanha em sua metade de campo e se adiantou no seu primeiro remate a baliza, com um golaço de Fabián (m.7).

O médio do Nápoles, que já tinha sido decisivo contra Polonia com um golo quase idêntico, aprofundou no centro do campo e libertou um canhotaço desde os 18 metros que terminou ao fundo das malhas e que desatou a euforia das centenas adeptos espanhóis que foram a {Udine} desde Espanha.

Toques, combinações e um jogo autoritário marcaram uns primeiros vinte minutos que roçaram a perfeição para a Vermelha, mas depois Alemanha mudou de atitude e aos poucos aproveitou a menor intensidade espanhola para chegar à baliza de Antonio Sivera.

Espanha se {echó} para atrás e arriscou. Jesús Vallejó pôde ver uma vermelha por uma dura falta a Luca Waldshmidt (m.32) que ficou em amarela, e Alemanha chegou a pendurar um centros muito perigosos nos que se {agigantó} {Unai} {Nuñez} para conter o poderio físico de {Jonathan} {Tah} e Burlão {Baumgartl} e enviar à Vermelha aos balneários com uma valiosa vantagem.

O DESGASTE / É que o grande desgaste físico dos últimos compromissos, com a meia-final contra França de quinta-feira que se jogou baixo/sob/debaixo de 35 graus, complicou o trabalho de Espanha, que também não após o descanso/intervalo conseguiu recuperar o comando da bola. Mas as motivações do selecionado de Da Fuente lhes deram um prémio de empurre. Apesar do enorme sofrimento, Espanha aguentou sem conceder claras lances de golo e o prémio a seu entrega chegou no 70.

Após uma grande ação {coral} liderada por {Ceballos}, Fabián rematou desde fora da área e o objetivo/meta {Alexander} {Nubel} não deteve a bola. O primeiro em chegar foi Olmo que com uma vaselina superou ao guarda-redes e conseguiu um transcendental 2-0.

Foi um golpe psicológico. Espanha se vinho em cima e Alemanha começou a conceder espaços para os contragolpes da Vermelha, que perdoou dois grandes oportunidades primeiro com Fabián e depois com {Borja} Maioral, que saltou ao campo em substituição de {Fornals}.

Os jovens de Da Fuente tiveram a ‘bola de jogo/partido’ no 81, mas Costumar rematou ao trave desde dentro do área e essa ocasião {fallada} obrigou à Vermelha a sofrer até ao último segundo, pois {Amiri} no 88 recortava distâncias com um remate desde os 20 metros que entrou tocado por {Vallejo}.

Ficou só/sozinho como uma curiosidade para a Vermelha, que após três minutos de tempo acrescentado pôde pôr suas mãos num título europeu que é a ginja ao longo/comprido caminho duma geração realmente memorável.

españa 2

{alemania} 1

3Goles: 1-0, m.7: Fabián; 2-0, m.69: Olmo; 2-1, {Amiri} (m.88)

3Árbitro: {Srdjan} {Jovanovic} (Sérvia). Mostrou a cartão amarela aos espanhóis {Vallejo} (m.33), {Nuñez} (m.71) e Sivera (m.83).

3Estadio: {Friuli} de {Udine}.

3Espectadores: 32.000.

3España: Sivera; {Aguirregabiria}, {Vallejo}, {Nuñez}, {Firpo}; Rocha, Fabián ({Merino}, m.78), Olmo, {Ceballos}, {Fornals} (Maioral, m.72); {Oyarzabal} (Costumar, m.55).

3Alemania: {Nubel}; {Klostermann}, {Tah}, {Baumgartl}, {Henrichs}; {Eggestein} ({Nmecha}, m.78), {Oztunali} (Richter, m.73), {Dahoud}, {Serdar} ({Neuhaus}, m.61); {Amiri}, {Waldschmidt}.