+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Uma cacerenha que ‘sim’ estuda e ‘sim’ trabalha

{Amalia} {Harinero} Sánchez, de 27 anos, se forma em Educação Pre-escolar e ao sair de classe se põe o uniforme para trabalhamos/trabalhámos numa loja de 24 horas

 

{Amalia} {Harinero} Sánchez 8 La cacerenha em o seu posto de trabalho. - {ARTURO} {HARA}

CELIA GÁLVEZ NÚÑEZ
08/04/2019

Não está segura de se vai-se a ficar em Cáceres porque tem vontade de conhecer mundo e é «muito curiosa», conta {Amalia} {Harinero} Sánchez. O que sim se sabe é que num futuro quer viver aqui.

La cacerenha de 27 anos trabalha num estabelecimento, situado na avenida de Alemanha, que abre durante 24 horas, e o faz enquanto estuda Educação Pre-escolar. «Era a única maneira de conciliar os estudos com ter um emprego». Os fins-de-semana e ao sair de classe, se põe o uniforme para começar sua jornada laboral. «Às sextas-feiras saio às 19.30 horas e {entro} às 20.00». Estuda e {tabaja} ao mesmo tempo para pagar-se a corrida/curso, embora seus bons resultados a fim de curso lhe fazem ter bolsa para o ano seguinte.

Quando era menina vivia em São Blas e ia ao colégio Diocesana junto a seus três irmãos, que com ela são quadrigémeos. Depois foi a O {Brocense}, onde estudou Ensino secundário e preparou a prova de acesso ao ensino superior. Embora finalmente optou por realizar um módulo superior de Educação Pre-escolar. No entanto, não lhe convenceu demasiado e o abandonou. Se iniciou no mundo laboral com 19 anos, num supermercado, até que com 21 se foi embora a {Sevilla}. «Uma oferta de trabalho lhe chegou no dia seguinte de pô-lo em {Infojobs} e me fui embora sempre com a ideia de estudar Psicologia ou Educação Social», relata.

Ali esteve trabalhando entre os bairros de {Triana} e Os Remédios durante quatro anos. Repetiu a prova de acesso à universidade em Andaluzia com o fim de tirar nota. E assim fê-lo. Mas justo depois regressou a Cáceres. Uma vez em sua cidade se decantou por matricular-se em Educação Pre-escolar. «Tinha dois anos de desemprego, era o momento de começar a estudar em Cáceres». No entanto, não tardou demasiado em encontrar o emprego que agora desempenha, juntamente com outros 15 jovens que formam o pessoal.

«La vida é cómoda e económica, está tudo muito a mão». Insiste em que «o património histórico é muito bonito» mas anota que «poderia reforçar-se mais e tirar-lhe jogo/partido a tudo o que temos». O mesmo pensa da juventude. «¿Como lhe vais a pedir a uma mente brilhante ficar se não pode explorar aqui o que tem?». Por outro lado, não dúvida em animar a que as novas gerações «façam despertar a cidade». Quando a cacerenha termine o grau/curso universitário universitário concorrerá. «Se tenho a oportunidade de ficar-me aqui não {dudaré} em fazê-lo».