+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Todos os polícias com coletes

Cáceres será uma das cidades espanholas em ter peça de roupa antibalas para todos os agentes locais com a compra de 75 novos por 50.000 euros H A cidade encabeça a lista das mais seguras com uma taxa de 16 delitos por 1.000 habitantes

 

CELIA GÁLVEZ NÚÑEZ
08/04/2019

Os polícias cacerenhos necessitam estar seguros. Por isso, a Câmara Municipal da capital cacerenha adjudicava a contratação de 75 novos coletes à prova de balas por 50.625 euros ao único licitador que se tinha apresentado. Com esta aquisição o corpo contará com 150 peça de roupa destas características. Atualmente, há 136 agentes velando pela segurança cidadã. «Assim têm um para cada um e alguns de peça sobresselente», afirma Mateos.

Com esta medida, a câmara municipal cacerenho entra na lista de câmaras municipais que contará com coletes para todos os seus agentes locais, «Somos dos poucos» assinala Mateos. «São eles os que estão expostos a constante perigo, pelo que temos de {extremar} precauções», enfatiza.

Estes coletes contam com modelo tanto/golo de mulher como de homem e diferentes {tallajes} de cada um deles, assim o segundo anota Benedicto Cacho, chefe da Policia Municipal. O máximo responsável precisa que para para poder/conseguir garantir boa segurança «deve ficar ajustado ao corpo». Estarão factos/feitos a medida uma vez se decida a talha. Até agora se utilizava um para vários polícias e não todos ao sair o levavam, mas só/sozinho algumas das patrulhas específicas que trabalham na via pública. «{Decidimos} pedir-los, para além de por segurança que é o fundamental, por higiene, porque um o utilizam uns quantos», aponta.

Além disso, Cacho avança que uma vez que cheguem os novos coletes, passarão a fazer parte do uniforme regulamentar. De igual maneira, variará a cor, desaparece o amarelo e volta o azul marinho «de sempre», assinala. Em breve entra em vigor o novo decreto de uniformidade da Junta de Extremadura.

Perigos no dia-a-dia

A capital cacerenha é uma das cidades mais seguras do país segundo indicou, antes das festas natalícias, a subdelegação do Governo de Cáceres. A taxa é de 16,14 delitos por 1.000 habitantes. Encontra-se abaixo da média/meia extremenha, que está situada em 24,12 delitos por cada 1.000 habitantes. Apesar de isso, Cacho prefere não obviar o risco. «Não {sabes} ao que te vais a expor ou o que te podes encontrar nas ruas da cidade», sustenta. Nessa linha, o chefe do corpo enfatiza que «o ministério do Interior segue/continua ditando que estamos a nível quatro de alerta terrorista» e assinala que «a cidade está perto de zonas conflituosas».

«Nunca passa nada até que passa, houve ocasiões que se tivessem contado com ditos coletes se teriam evitado danos, a segurança não deixa de ser o ponto mais necessário de qualquer trabalhador», sustenta e recorda um caso duma agente em Valladolid, que se {reincorporó} duma baixa materna e faleceu por um tiro. Além disso, em Cáceres nalguma que outra ocasião «se deram casos de tiroteios».

Como particularidade, estas novas peça de roupa não só/sozinho protegem de impactos por bala, mas também são antipungentes. Por isso podem evitar que um agente resulte ferido numa rixa com arma branca, «dadas em reiteradas {cirscunstancias} nas imediações de A {Madrila} ou Aldea Moret», acrescenta Cacho. «As situações são diversas, desde um ataque com um objeto pungente até com um faca, que estes coletes podem evitar perfeitamente».

Estes novos 75 coletes são idênticos aos outros tantos dos que já dispunha a Policia Municipal. A proteção desta pegue é total, de 360 graus. Dispõem duma proteção {multi} impacto, que resiste até três disparos. Embora, esse é o número máximo de perfurações que podem receber/acolher. Em caso de impactos ficariam {inutilizables} e teriam que rejeitar-se. Por sua vez o colete terá que reunir as condições de conforto, {ergonomía}, grossura e peso para que possa ser levado pelo polícia durante uma jornada laboral de oito horas sem que sofra algum stress ocasionado por seu uso, segundo recolhe/expressa o manual das condições técnicas da Câmara Municipal. A parte interior da pegue -denominado pacote balístico- está composta por fibras de um material especial resistente. A seguinte capa é resistente ao água, está selada por ultra-som e oferece uma proteção aos raios ultravioletas. O peso total dos coletes dependerá da talha, mas a a maior para homens alcança os dois quilos.

«Menos de dois meses» é o tempo máximo que terão que esperar os agentes para receber/acolher estes coletes, segundo indica Cacho. A partir desse momento, em Cáceres todos os polícias poderão sair à rua sem expor-se a perigos de armas de fogo e ataques com facas.