+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Sua saída surpreende em {Vox}, embora as diferenças vêm desde antes do 26-M

Se lhe chegou a instar a que não se apresentasse como candidato de {Vox}

 

J. L. BERMEJO
11/10/2019

A carta que Amores remeteu na quarta-feira a Santiago Abascal anunciando sua marcha do jogo/partido não pode ser mais contundente. Seu desencanto é rotundo. Só/sozinho dois exemplos: afirma que o jogo/partido tem ido até posicionamentos muito radicais e para além do que podia considerar-se razoável e que o militante fica à margem e se põem e retiram-se gestoras e se fazem e se desfazem listas sem sondar aos militantes. Mas os desencontros não são novos. Antes das eleições do 26-M se lhe chegou a instar «a que não se apresentasse porque a sensação era que se apresentava {Teófilo} Amores e não {Vox}», assinalou ontem a presidenta da gestora em Cáceres, Madalena Nevado, quem assegurou que não pensou que Amores chegasse ao ponto de abandonar {Vox} porque se lhe instasse a levar a linha geral do jogo/partido.

A presidenta da gestora recordou que antes das eleições Amores comprometeu-se verbalmente a devolver a ata se abandonava o jogo/partido. Perguntado/questionado ontem, Amores apontou que segundo a jurisprudência a ata é sua e que Nevado «pode afirmar o que queira porque imagino que é fácil afirmar isso». Cada um foi respeitoso com o outro, mas por suas declarações deixaram claro que não há sintonia.

Amores explicou na quarta-feira que ele aceita o ideário do jogo/partido, mas não a interpretação que fazem alguns dirigentes da formação. «A mim não gosto a lei de Memória Histórica, mas é uma lei vigente que devemos aceitar, mas -desde o jogo/partido- me recriminam que como vereador de {Vox} diga que a lei de Memória Histórica temos de cumpri-la», detalhou Amores num exemplo que explica o sucedido.

O último desencontro foi na terça-feira. Amores recebeu um correio do Área de Intermunicipal. Para o vereador com este escrito/documento se lhe estava fazendo um requerimento sobre/em relação a três questões, dois delas relacionadas com publicações, e que do mesmo se deduzia que se duvidava da retidão de sua militância, algo que lhe parece «inadmissível».

Fontes do jogo/partido indicaram que o que se lhe pedia nesse escrito/documento era um esclarecimento e explicações como se faz com outros vereadores dentro da lavor/trabalho de coordenação do jogo/partido, pelo que indicaram que a decisão de sair de {Vox} já a teria tomado com anterioridade e que o correio foi a desculpa.

Numa dessas publicações, Amores questionava ao líder regional de {Vox}, Juan Antonio Morales, por aceitar ser assessor com ordenado no Câmara Municipal De Badajoz quando tinha advogado em campanha por acabar com os assessores. A terceira questão era por sua vinculação com uma plataforma, Cacerenhos por Cáceres, «porque filiados/inscritos do jogo/partido tinham mostrado sua preocupação porque o ambiente do vereador participa» na mesma, indicaram ontem as fontes citadas. Amores reiterou que não tinha ouvido falar dessa plataforma e sublinhou que o conteúdo do correio mostrava uma desconfiança até ele, «uma perda de confiança até minha pessoa, que é recíproca e não faz sentido manter este tipo de casais que não conduzem a nenhum sítio bom».