+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

O orçamento arranca com uma diminui de rendimentos de mais de 3 milhões de euros

Neste ano já não se percebe/recebe o excesso de cânone de Canal por valor de 2,2 milhões. A diminuição superará os 4 milhões se a previsão se ajusta mais ao arrecadado

 

Operários de Canal numa obra em Virgem da Montanha. A empresa não pagará o excesso de cânone em 2020. - FRANCIS VILLEGAS

JOSÉ LUIS BERMEJO caceres@extremadura.elperiodico.com CÁCERES
11/10/2019

El governo municipal tem aberto os contactos com o resto de grupos políticos para começar a negociação dos orçamentos de 2020. A vereadora de Economia, María Ángeles Costa, já reuniu-se na quarta-feira com os vereadores de Unidas Podemos e ontem fê-lo com o vereador não inscrito, {Teófilo} Amores. As contas do ano próximo se apresentam com uma diminui de rendimentos correntes que superará os três milhões de euros, embora ontem Costa não entrou em dar cifras. O governo socialista necessita o apoio dum ou dois grupos da oposição/concurso público para tirar as contas.

Essa redução obedece a três motivos. El principal é que em 2020 já não se recebe o excesso de cânone que nos quatro últimos exercícios tem posto Canal de Isabel II, a empresa que tem a concessão da gestão do abastecimento e depuração da água. Para além do cânone inicial que por valor de 30 milhões pagou a empresa em 2015, a companhia comprometeu-se a pagar um cânone extra por montante de 2,2 milhões de euros durante quatro anuidades, a última foi 2019.

El segundo motivo é que se terá que recortar a previsão de arrecadação do Imposto de Bens Imóveis. Se teria que fazer uma previsão com a estimação da redução de arrecadação pela segunda baixa do tipo impositivo do {IBI}, que se tem aplicado em 2019. Essa diminuição terá que ser de pelo menos 711.191 euros, que foi a quantidade/quantia que calcularam os serviços económicos da Câmara Municipal.

A terceira causa é que as previsões de arrecadação do imposto de Mais-valia não cumprem-se. Estão longe de o que se arrecada após a sentença do Tribunal Constitucional que afetou a este tributo municipal. A melhor prova é o sucedido com este imposto na liquidação do orçamento de 2018, que é além disso o que se tem alargado durante 2019. A Câmara Municipal já fez em 2018 uma previsão de rendimentos em baixa, calculou uma arrecadação de 1.200.000 euros. Embora no fim se reconheceram direitos por valor de 933.841 euros e a arrecadação neta que se conseguiu ao fecho do ano foi de só/sozinho 221.500 euros.

ARRECADAÇÃO / Só/sozinho destes três conceitos/pontos a diminui de rendimentos correntes superará os 3 milhões em relação às previsões iniciais do exercício de 2018, que é o que esteve alargado em 2019. E poderá superar os 4 milhões se as estimações que tenha facto/feito o governo e os serviços económicos foram mais prudenciais e próximas à arrecadação neta que aos direitos {renocidos} por {IBI} e Mais-valia.

Se a comparativa se faz com as contas de 2017, antes das dois descidas do {IBI}, aplicadas em 2018 e 2019, e de que se notasse nas contas os efeitos da resolução do Constitucional, a redução na arrecadação de rendimentos correntes poderia ser superior aos 5 milhões. Em 2017 se orçamentaram 24 milhões de {IBI}, em 2018 foram 22,8 milhões e em 2020 já poderia descer dos 22 milhões ao notar-se os efeitos da redução do tipo impositivo de 2019. Em Mais-valia, em 2017 se chegaram a orçamentar 1,8 milhões quando no fecho do exercício de 2018 a arrecadação já só/sozinho foi de 221.500 euros.