+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

As armas no Cáceres medieval

 

SANTOS Benítez Floriano
23/10/2019

Na Espanha Cristã Medieval não tinha um exército permanente salvo os cavalheiros sempre dispostos para a defesa e a luta, mas o povo/vila, quando as circunstâncias obrigavam a isso, era chamado ao serviço militar devendo ir baixo/sob/debaixo de penas graves de não fazê-lo.

Todas as vilas e lugares do Reino de León estavam sempre dispostas a ir aos constantes apelos dado o estado de luta permanente no qual se vivia com os muçulmanos. Nos Forais de Cáceres se assinalam multidão de disposições que fazem referência à organização militar e às obrigações {castrenses} dos cacerenhos.

Hoy nos vamos a deter a falar sobre/em relação a as armas que se utilizavam naquela época. Os cavalheiros, quando eram requeridos para a guerra, deviam apresentar-se com seu cavalo, armamento e o {atalaje} de seu {cabalgadura} completo. Segundo Floriano Cumbreño, a preocupação cavalheirosa pela invulnerabilidade tinha ido acumulando defesas sobre/em relação a o corpo, limitandole seus movimentos até ver-se {imbuido} numa estrutura de ferro.

Se conhece com o nome de armadura e nos Forais se especificam detalhadamente todas as peças de que constava. O cavalheiro devia levar uma camisa sobre/em relação a a que se punha o «{gambax} de {cendal}», um {coselete} {acolchado}; sobre/em relação a este se punha a «{loriga}» ou o «{lorigón}», que eram túnicas feitas de malhas de ferro; sobre/em relação a os ombros ia o «{almófar}», que cobria a cabeça, facto/feito de malha de ferro e sobre/em relação a este se colocava o «{capiello}» ou o «{yelmo}».

Às vezes utilizavam o «{perpunte}» e a «taxa de armas»; o primeiro era uma vestidura muito apertada que cobria o corpo, e, a segunda, era um vestido que cobria a armadura. Os cavalheiros vilões cacerenhos o usavam de um cor cinzento escuro, pelo que lhes chamavam os «cavalheiros {pardos}». Nas pernas se punham as «{brufuneras}», feitas com malha de ferro ou às vezes eram peças de metal que se adaptavam às pernas. Os jóqueis levavam sempre a lança com um haste de madeira e a ponta de ferro, no Foral aparece a «lança {azulada}», provavelmente porque a ponta levava um metal chamado ferro azul; e a espada de folha larga com dobro {filo} e canal ao centro, com uma empunhadura e os {gavilanes}. No braço esquerdo seguravam um escudo {normalmenet} redondo, facto/feito de madeira {forrado} de couro. Outras armas que utilizavam era a {maza} e o «{cuchiello}».

A {cabalgadura} levava um {arnés} formado pela «{cabezada}» com suas rédeas, a «{siella}» com seus «{estriberas}» e as «soltas» ou entraves. Os {peones} podiam levar «{loriga}», «{almófar}» e «{capiello}», e levavam um escudo {oblongo}.

A infantaria lutava com lança ou com {ballesta}, utilizando uma média/meia de sessenta setas. Esta a utilizavam também os cavalheiros em suas expedições para analisar o terreno e para a caça. Como terão podido analisar tudo um rede {ropaje} para garantir a segurança dos cavalheiros e do povo/vila.

*Cronista oficial de Cáceres