+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Artesãos cacerenhos terão um espaço próprio no mercado medieval

Os empresários da cidade estarão no Fórum dos Balbos

 

Jorge Villar e {Fernanda} Valdés, ontem na apresentação do Medieval. - FRANCIS VILLEGAS

EFE CÁCERES
07/11/2019

O Mercado Medieval das Três Culturas de Cáceres vai ser festejado do 14 ao 17 de novembro, a sua XX ediçao com uma especial participaçao dos artesaos locais, que contarão com um espaço próprio no Fórum dos Balbos, onde também svai ser instalado um ponto de informação de dois concursos: pintura rápida e balneário.

O mercado, que se desenvolve no centro histórico da cidade com as culturas árabe, judia e cristã como protagonistas, espera uma afluência massiva de público, já que é um dos eventos mais concorridos da capital cacerenha. Vai ser colocada uma decoração temática por zonas, segundo se trate das judiarias, a área cristã e a zona árabe, segundo recolhe a Câmara Municipal num comunicado de imprensa.

MENINOS / Os mais pequenos terão um espaço dedicado a eles nas escadaria da porta principal da Câmara municipal, onde se desenvolverão jogos antigos como a baqueta. Como em passadas edições, terá zonas dedicadas à gastronomia, celebrar-se-ão diferentes oficinas ao longo do percurso e uma exposição de aves de rapina, com exibições ao longo das jornadas e uma recua de burritos, acrescenta.

O mercado continuará idêntico formato à edição anterior, com mais de 150 postos e animação musical temática (sefardita e medieval) nas diferentes ruas e praças; e terá um concerto na Praça Maior no sábado, dia 16, a cargo do grupo {burgalés} À queima-roupa. Desde a Câmara Municipal destacaram tratar-se de «um referente cultural e uma das ofertas turísticas mais atrativas de Cáceres».

Em anteriores edições, o mercado teve uma afluência de público de mais de 100.000 pessoas, sendo «um dos mercados medievais mais concorridos de Espanha», pela particularidade que tem de desenvolver-se num espaço Património da Humanidade.