+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Quase do salto

 

ANTONIO GARCÍA SALAS Economista
09/05/2019

A princípios do século XXI parecia que Badajoz estava prestes a dar um salto histórico. Vinha de ser uma das cidades de maior crescimento de Espanha da década dos 90. Se tinha conetado por autoestrada com Madrid e Lisboa, El Corte Inglés impulsionou a atração e modernização do comércio, o Plano {Urban} permitiu começar a recuperar o património histórico e o Centro Histórico e com isso nossa identidade e a decisão em 2003 de que teríamos o TGV em 2010 e a Plataforma Logística nos gerou novas expectativas. Com o Observatório do Mudança começamos a pensar num futuro muito melhor e a {creérnoslo}. Depois vinho uma bolha do imobiliário e financeira que impulsionou um crescimento sem precedentes em todo o país e a explosão da borbulha nos afetou diretamente com a perda da nossa principal entidade financeira local e as promoções imobiliárias públicas desproporcionadas que paralisaram a atividade económica da cidade. Perdemos a ilusão/motivação e a esperança, e até ao carácter amável, e reapareceram confrontos e conflitos na cidade aos que não estávamos acostumados.

De novo a cidade parece que está prestes a dar o salto. Com o plano {DUSI} se reiniciam ações de recuperação do património histórico e de bairros, à plataforma logística já se lhe vê a face com a condomínio e a instalação de empresas, a eurocidade começa a caminhar, há de novo prédios construindo's pela cidade, terá melhorias substanciais no comboio num ano e começamos a confiar em ter alta velocidade e conetar-nos com Lisboa, o Plano {Campillo} é já irreversível, tem começado a Ronda Sul, o rio Guadiana dá muitas possibilidades e teremos cedo a nova piscina coberta, a alcáçova e as muralhas estão pondo-se em valor, à base aérea neste ano chegarão os novos aviões {reapers}, o sector sanitário iniciará um novo hospital privado e a nova faculdade de Medicina está a funcionar, e assim outros projetos que levavam décadas esperando que começam a ser mais que expectativas. De novo a cidade parece que está prestes a dar um salto histórico. Esperemos que estas possibilidades dentro de quatro anos sejam todas realidades.