+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Grupo/ponta e orquestra

 

EMILIO González Barroso
17/03/2019

A tarde de quinta-feira coincidiam em Badajoz dois magníficos concertos. No teatro López de Ayala a Grupo/ponta Municipal de Música oferecia uma atuação dedicada à Mulher e uma hora depois a Orquesta de Extremadura começava seu concerto sinfónico {nº} 8 no Palácio de Congressos de Badajoz , que se levaria a cabo no dia seguinte no de Cáceres. Com efeito, a Grupo/ponta Municipal apresentava um excelente programa baixo/sob/debaixo de a batuta de dois prestigiosas diretoras: {Natalia} {Montañés}, na primeira parte, e Mercedes Padilla, na segunda. {Natalia} {Montañés} dirigiu uma {Obertura} Festiva de López Carreño, a Sinfonia {nº} 2 de John Barnes, a Orgia das Danças Fantasiosas de J. {Turina}, em versão de {Sanz} {Espert} e a obra {Vasa}, de J. {Suñer}. Mercedes Padilla iniciou sua intervenção com um {pasodoble} de Rafael Talens, seguido/continuado da obra Musicalidade de Madrid, composta por ela mesma com o organista {llerenense} Miguel del Barco Gallego, que presenciava o concerto, do qual foi interpretada seguidamente a Jota de Guadalupe de suas Quatro Danças Extremenhas, concluindo com o Final da Sinfonia {nº} 9, Do Novo Mundo, de {Dvorak}, acrescentando no fim do concerto, da mesma série, O {Candil}. Ambas diretoras acreditaram seu extensivo e magnífico historial à frente de diversos agrupamentos sinfónicos junto à excelente resposta da Grupo/ponta Municipal. A vereadora de Cultura, Pomba Morcillo e o diretor titular do grupo, professor Costumar, lhes entregaram sendas placas com a Porta de Palmas .

A Orquesta de Extremadura, dirigida nesta ocasião pelo professor e excelente violino venezuelano Domingo {Hindoyan}, contava com a participação da soprano de Badajoz Carmen Solís, que cantou o ariana de {Mozart} Me esqueço de ti? Não temas, amado!, mostrando uma vez mais sua prodigiosa voz. Seguidamente o jovem pianista sevilhano Juan Pérez Floristán interpretou {magistralmente}, com a formidável contribuição da orquestra, o Concerto para piano {nº} 21 de {Mozart} e o Quarteto para Piano {nº} 1 de {Brahms}-{Schömberg}. Na tarde de ontem sexta-feira teria lugar no sala de plenários/plenos de assembleia provincial o último concerto do ciclo Juan Vázquez, ao que nos {referiremos} na próxima resenha.