+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

A feira remonta na reta final com cheio absoluto no sábado em Caia

Um menino no hospital por possível rotura/quebra de braço e um ferido ligeiro numa briga, entre 53 incidências. Umas 40.000 pessoas encheram o recinto, 6.000 delas no concerto de A Fronteira de COPE

 

Imagem do auditório da feira durante o concerto de A Fronteira - ANDRÉS RODRÍGUEZ

Aglomeración numa das ruas das atrações, no sábado. - ANDRÉS RODRÍGUEZ

A. M. ROMASANTA
01/07/2019

Los voluntários que participaram a noite de sábado no dispositivo sanitário a Cruz Vermelha no recinto da feira terminaram de recolher às onze da manhã de ontem, exaustos, após uma noite longa e intenso, como tinham previsto. Centenas de pessoas viram amanhecer no da feira e esgotaram o horário de fecho das tendas. A última noite foi a de maior afluência ao recinto de Caia dos nove dias que tem durado a feira de São Juan, que tem ido de menos a mais, começou a ralenti e tem remontado na reta final, a partir de quinta-feira até ao cheio absoluto de sábado.

O melhor indicador foi o trânsito. A Policia Municipal de Badajoz teve que regular/orientarlo entre as 22.00 e as 22.30 horas, pela coincidência do público que ia ao da feira com o que saía do centro comercial O Farol, onde começou a época de descuentos. Outro dado que corrobora a grande afluência são os autocarros que chegavam cheios e o trasfega contínua de táxis. Desde que há três anos pôs-se de sentido único tudo o da feira acabaram-se as retenções interiores e não repercute na avenida de Elvas. Segundo calculou o superintendente, Rubén Muñoz, no recinto de Caia puderam coincidir mais de 40.000 pessoas. Só/sozinho no auditório teve mais de 6.000 na festa da COPE com os grupos A Fronteira e The Refrescos, com O Polvo como mestre de cerimónias. Foi o concerto mais massivo de toda a feira, mais mesmo que o de Maré.

Em previsão de que seria a noite de mais atividade, o dispositivo a Cruz Vermelha estava formado por 30 voluntários, que atenderam 53 incidências, nenhuma grave. Um menino de 4 anos foi derivado ao hospital Materno Infantil com uma possível fratura no braço, causada ao chocar com outro saltando numas colchões de ar/espuma. Além disso, um jovem de 19 anos sofreu feridas leves numa mão numa rixa na zona das tendas. Nessa briga nem sequer interveio a policia municipal. Por outro lado, os agentes sim intervieram 220 pares de sapatilhas, levantaram várias atas por consumo de estupefacientes e também a jovens que realizavam botellón fuera do espaço autorizado, que é a terreno amplo junto ao circo.