+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Ano eleitoral

 

MARÍA ORTIZ Periodista
11/01/2019

Os primeiros dias do ano político na Extremadura não somente nos deixam o confronto entre os diferentes partidos a propósito da desastrosa situação do nosso comboio. Também andam todos olhando de esguelha as negociações e, finalmente, o acordo político alcançado em Andaluzia, entre PP e C’s com o apoio de {Vox}. Não é em vão, para bem ou para mau, somos dois Comunidades Autónomas com uma trajetória muito casal/par em todos os âmbitos. Sobretudo por nossa proximidade geográfica. ¡Até se nos confunde pelo acento fora de nossas fronteiras!

No terreno político, em ambas regiões existiu historicamente uma larga esquerda sociológica que propiciou sucessivas maiorias absolutas do PSOE. E também Extremadura viveu a passada legislatura, o momento da mudança político com o governo do Partido Popular de Monago.

Agora a situação em Andaluzia marca um caminho diferente com a entrada no parlamento andaluz de {Vox}. Um partido político que começa a fazer-se forte no nosso país, segundo todas as sondagens. E que na Extremadura, sobretudo na província de Badajoz, já tem suas caras mais conhecidas nos que fossem, nada mais e nada menos, que secretário-geral do PP de Badajoz, Juan Antonio Morales, e Antonio Pozo, presidente da Câmara Municipal da população de Badajoz de Guadiana del Caudillo. Ambos abandonaram recentemente as filas do Partido Popular extremenho pondo a caldo, dito {coloquialmente}, a seus anteriores companheiros.

Portanto, e chegado o caso, terá que pôr-se de novo mãos à obra o senhor García Egea, porque não lhes vejo eu aqui sentados a PP e {Vox} nem cinco minutos, nem meia hora, para fechar nenhum acordo. Embora a política, já se sabe, faz estranhos amigos.

Outros, não obstante, acreditam que esse cenário não chegará. Confiam numa mobilização do eleitorado de esquerdas para travar o avanço da extrema-direita extremenha.

Em definitiva, todas as possibilidades estão abertas. É o único certo hoje: que nos {encontramos} perante o ano eleitoral mais incerto e, ao mesmo tempo, emocionante, dos últimos tempos.