+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Uma modificação do PGM permite uma maior liberdade para construir

Eliminam o requisito de ter que levantar mais duma altura no caso urbano. Um restaurante e um supermercado se instalarão face à praça de touros

 

Último plenário/pleno desta legislatura celebrado ontem na Câmara Municipal. - R.C.

RODRIGO CABEZAS prov-badajoz@extremadura.elperiodico.com ALMENDRALEJO
09/05/2019

Durante muitos anos, os proprietários de parcelas no centro urbano de Almendralejo que queriam construir ou reabilitar uma habitação se encontraram com o problema de ter que enfrentar esta edificação com a obrigatoriedade de fazer um mínimo de plantas, tal como recolhia o Plano Diretor Municipal de 1996. Dependendo da zona, varia a altura mínima exigida. Isto supõe um handicap para os que só/sozinho queriam uma, mas essa condição vai a deixar de existir. E fá-lo-á, porque o plenário/pleno da corporação celebrado ontem (último da legislatura) aprovou, com os votos a favor do grupo popular e contra do jogo/partido socialista, um processo para a modificação pontual do Plano Geral (PGM), que elimina este requisito e promove uma maior liberdade na hora de construir em qualquer zona da localidade.

Segundo explicou o vereador popular, Luis Alfonso Merino, esta modificação «resolve o problema de muitos», defendendo que, desde 2013, a atividade da construção em Almendralejo centra-se na habitação autopromovida, e de carácter unifamiliar. Desde esse ano, indicou, o número de licenças de obras maiores/ancianidade para habitações de autopromoção se tem ido incrementando lentamente/pouco a pouco entre o 12% e 18%, O processo aprovado conta com a justificação do Chefe da Secção de Urbanismo da Câmara Municipal e cumpre com as diferentes regulamentos.

O grupo socialista assinalou que apresentar este processo depois de/após oito anos de governo popular demonstra «o fracasso do governo popular em matéria de urbanismo» e recordou que durante estes anos «foram incapazes de aprovar o PGM», assinalou seu porta-voz, Piedade {Álvarez}, quem também instou ao presidente da Câmara Municipal José García Lobato a retirar a proposta, petição/pedido que não prosperou.

Além disso o plenário/pleno também aprovou, com os votos a favor do grupo popular e com abstenção do PSOE, outra modificação pontual do Plano Geral que implica a não construção duma rotunda na rua O Águia, dentro da condomínio São Quadros/Marcos. Dita rotunda estava contemplada no PGM, mas o promotor da modificação, o arquiteto {Félix} Quadrado, justificou que não é necessário fazê-la.

Mais mudanças/ Também deu luz verde à aprovação definitiva do estudo em detalhe de três parcelas situadas na avenida Presidente Juan Carlos Rodríguez Ibarra (justo em frente de a rotunda da praça de touros) com o objetivo de promover ali uma dobro atividade comercial e uma zona de estacionamentos. O processo foi submetido em seu dia a exposição pública e não recebeu alegações contra.

Não tem transcendido o nome das empresas que ali pudessem instalar-se, embora tudo aponta a que será um restaurante e uma cadeia de supermercados.

O plenário/pleno da corporação também aprovou denominar ao Pavilhão Extremadura {Viti} García Rubiales como homenagem a título póstumo a esta mulher carismática que durante muitos anos exerceu de professora de Educação Física nos institutos.

Ao plenário/pleno, com muito público, foram vários dos candidatos à presidência da câmara municipal.