+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Trump fecha EUA aos aviões procedentes da União Europeia

A decisão afeta a 42 voos diários dos aeroportos de Madrid e Barcelona. Bruselas condena que a medida se tenha adotado de forma unilateral

 

Um casal no aeroporto de Barcelona, antes de embarcar a Londres para poder/conseguir chegar a EUA. - AP / EMILIO MORENATTI

IDOYA NOAIN / SILVIA MARTINEZ epextremadura@elperiodico.com NUEVA YORK / BRUSELAS
13/03/2020

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fecha o país para os europeus pelo coronavirus. Num discurso à nação, e após criticar a reação da UE, o mandatário anunciou na quarta-feira que a partir da próxima meia-noite (hora de Nueva York, as cinco da madrugada de sábado em Espanha) suspende durante 30 dias todos as viagens desde Europa.

A restrição afetará a passageiros europeus ou não estado-unidenses que tenham estado na Europa nas últimas duas semanas e só fica eximido o Reino Unido. «Por favor, lembrem, muito importante para todos os países e negócios saber que o comércio não se verá afetado pela restrição», escreveu num tweet.

«Esta não é uma crise financeira, é só um momento temporal que superaremos como uma nação e como um mundo», disse Trump na sua intervenção, na qual não deu mais detalhes sobre o fechamento dos EUA aos voos desde Europa e na qual definiu o covid-19 como um «vírus estrangeiro» que «começou na China».

Desde o aeroporto Madrid-Barajas não poderão sair até os EUA uns 28 voos e a cifra desde o aeroporto de Barcelona-El Prates duns 14 voos diários, segundo os dados de Aena. Em total 42 voos em média cada jornada –já que não todas as frequências programadas são diárias– ficarão retidos nos principais aeroportos espanhóis a partir de amanhã.

A decisão dos EUA caiu ontem como um balde de água fria em Bruselas. Num comunicado conjunto, Charles Michel e Ursula von der Leyen, presidentes do Conselho Europeu e a Comissão Europeia, respetivamente deploraram a medida e lamentaram que se tenha adotado de forma unilateral e sem nenhum tipo de concertação. «El coronavirus é uma crise global, não se limita a nenhum continente e requer cooperação mais que ações unilaterais», diz o comunicado emitido ontem no qual se relembra que a UE está tomando «ações fortes» para limitar a transmissão do vírus.

EUA tem por agora 1.276 casos confirmados, mas a cifra poderia ser muito maior dada a escassez de provas realizadas. Perante o facto de que em EUA não existe a saúde universal gratuita, Trump assinalou também que as companhias seguradoras do país têm acedido a aumentar a cobertura sanitária. Trump apresentou outras medidas económicas, como pedir ao Congresso que aumente em 50.000 milhões de dólares a dotação da Administração de Pequenas Empresas para que dote de empréstimos a baixo de juros a negócios afetados.