Menú

El Periódico Extremadura | Segunda-Feira, 20 de novembro de 2017

A televisão valenciana renasce

‘{À} {punt}’, a nova cadeia autonómica que substitui a Canal 9, {echará} a andar no 2018

NACHO HERRERO
13/09/2017

 

La nova plataforma de meios de comunicação valenciana, {À} {Punt}, já tem imagem e identidade visual (uma a minúscula e com acento aberto dentro de um círculo, com uma coloração que joga com o branco e o negro), e também uma nova data para começar a dictaminar/enviar. No ato de apresentação de ontem, sua diretora-geral, {Empar} Quadro anunciou que durante o primeiro trimestre de 2018 começará a dictaminar/enviar a televisão, e que antes do final deste ano a rádio e a site estarão ativas, embora não em suas versões definitivas.

«Se não há imponderáveis», matizou/precisou Quadro, que explicou que esses obstáculos poderiam chegar «pela incorporação da pessoas que está a ser bastante mais complicada do que pensávamos». La União de Jornalistas, o sindicato maioritário no sector, anunciou que impugnarão as sacos temporários que se têm aberto por entender que os extrabalhadores de {RTVV}, a antiga corporação pública, têm demasiada vantagem em relação ao resto.

Quadro explicou que a ideia é começar as emissões de rádio com um {magacín} cultural e social e completar com música e que o primeiro que se abrirá na web será o portal infantil. «Já teremos material para pendurar e pensamos que é uma necessidade», apontou.

Quadro disse que esperam que a apresentação da imagem da plataforma suponha «um passo gigante na identificação» dos cidadãos com o novo ente. «{À} {punt} soa muito valenciano. Sempre estamos quase para empreender, somos valentes», assinalou antes de assegurar que «nos {adaptaremos} à maneira dos mais tradicionais e dos mais modernos».

Quadro pediu «cumplicidade e generosidade» antes de que os responsáveis da filial valenciana de {Aftershare} TV, a empresa de publicidade de {Risto} {Mejide} e Marc Ros, revelassem os detalhes da nova imagem. Eva Sarasol e Iker Múgica, diretora de Projetos e o diretor Criativo {deAftershare} Valência respetivamente, recordaram que «nenhuma outra plataforma podia ter este nome». «La a é a primeira letra, o início de tudo, o acento dá identidade e mostra o abertos que somos e a expressão {à} {punt} é símbolo do nosso carácter», apontou Múgica. Em relação ao {logo}, explicaram que o ponto no qual se {inserta} a {à} quer ser simbolismo de reunião, que a eleição da minúscula representa o diálogo e a humildade, que o acento quer mostrar rigor e que a eleição do branco e do negro supõe um reflexo do serviço público.

La polémica política por volta de do nascimento desta nova plataforma se {recrudeció} faz uns dias quando Isabel Bonig, presidenta do PP valenciano, disse que o Governo tem dinheiro para pô-la em marcha mas não para evitar que milhares de alunos sigam/continuem em barracões. Também recebeu críticas a eleição como cenário desta apresentação do {Botànic}, lugar onde assinou-se o acordo entre {PSPV}, Compromís e {Podem} que desalojou aos populares da Generalitat.

Quadro rejeitou qualquer identificação e {Ximo} {Puig}, presidente da Generalitat, {tambén} presente no ato de ontem, {afeó} ao PP a sua postura. «Não se pode fazer política partidarista de tudo. O PP cometeu um gravíssimo erro fechando a televisão autonómica e quem ponha em risco o autogoverno dalguma maneira está limitado a capacidade dos valencianos», assinalou.

As notícias mais...