Menú

El Periódico Extremadura | Sexta-Feira, 3 de abril de 2020

‘Elite’ fecha um ciclo com outro morto e um «final aberto»

Netflix estreia hoy oito novos episódios da série, que confirma dois épocas mais

MARISA DE DIOS epextremadura@elperiodico.com MADRID
13/03/2020

 

Los danças de regulação costumam dar muito jogo na pequena e a grande ecrã, sobretudo se acabam como o rosário da {aurora}, como aconteceu na mítica {Carrie} e temos visto na mais recente Esta merda me supera. Por isso a festa de final de curso duma das séries juvenis estrela entre os adolescentes como Elite não podia ser menos. O sangue tinge também de vermelho a pista de dança na qual os protagonistas se despedem do exclusivo instituto/liceu As Azinheiras no começo da terceira época da ficção de Netflix, que chega hoy à plataforma.

Como já aconteceu nas dois anteriores entregas, Elite volta a começar sua época com uma cena impactante, neste caso a morte de Pólo (Álvaro Rico), para desenvolver a trama a partir de um flash {forward}. ¿Quem está detrás do assassinato? É a pergunta que planeia ao longo/comprido dos oito novos episódios, nos que se fecharão as tramas principais que têm consequências desde/a partir de o início da série para dar lugar a novas histórias na quarta e quinta época, já confirmadas. «Todas as perguntas que se tinham aberto, agora têm resposta», assegura Carlos Montero, criador da série junto a {Darío} {Madrona}.

«Se as anteriores épocas as {definíamos} como selvagens e escuras, esta é a mais profunda a nível psicológico», afirma {Omar} {Ayuso}, que dá vida ao personagem homónimo. «Já não só/sozinho estão as mortes e a parte mais de {thriller}, mas os jovens se enfrentam a fechar sua etapa de instituto/liceu e passar à vida adulta», matiza/precisa. Sua relação com {Ander} ({Arón} {Piper}) continuará a ser um dos escoras da história, marcada neste ano pela doença de seu namorado. «Mas graças a este facto/feito trágico, {Ander} recupera a seus referentes», salienta {Piper} como ponto positivo à odisseia que passará seu personagem.

O que também seguirá/continuará com sua via-sacra é {Guzmán} (Miguel Bernardeau), obcecado com que Pólo confesse que esteve detrás de a morte de Marina. «Lhe vai fazer muita falta aprender a estar só/sozinho para perdoar/desculpar-se a sim mesmo e a seus amigos. Ou pelo menos para que ver a Pólo não se converta num veneno para ele», aponta o ator.

Além disso, ao outro líder do instituto/liceu se lhe apresenta um novo rival amoroso com {Nadia} (Mina O {Hammani}): {Malick} ({Leïti} {Sène}), um jovem «que acopla-se melhor à religião, a cultura e as necessidades» da jovem e de sua estrita família muçulmana. «O final é bastante aberto e vários personagens ficam sem saber que lhes proporciona o futuro», avança {Piper}. «Mas, sobretudo, é um fim de ciclo», vala.

As notícias mais...