+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

O primeiro falecido pelo vírus na Europa é um turista chinês

Viajou desde/a partir de a província de {Hubei} o 16 de Janeiro, mas era originário de {Wuhan}. O homem, de 80 anos e ingressado num hospital de Paris, morreu esta sexta-feira

 

EVA CANTÓN
16/02/2020

Um turista chinês de 80 anos hospitalizado em Paris tornou-se anteontem no primeiro morto pelo novo {coronavirus} na Europa e o primeiro fora de Ásia. Até ao passado sexta-feira, se tinham registado três falecidos fuera da China continental: em Filipinas, {Hong} {Kong} e Japão. Agora são quatro. O paciente tinha chegado o 16 de Janeiro a França e o dia 25 ingressou no Hospital {Bichat} da capital francesa {aquejado} duma infeção pulmonar por {covid}-19. Faleceu na sexta-feira, segundo anunciou ontem a ministra francesa de Saúde, {Agnès} {Buzyn}.

O homem procedia da província chinesa de {Hubei}, mas não era originário de seu capital, {Wuhan} (onde se originou o surto da atual epidemia global de {coronavirus}), mas duma cidade 400 quilómetros ao norte. Seu estado se deteriorou rapidamente e permanecia desde há dias na unidade de cuidados intensivos. O ancião viajava com a sua filha, de 50 anos, igualmente {aquejada} da doença e ingressada no mesmo hospital. Ambos estavam submetidos a «estritas medidas de isolamento», explicou {Buzyn}. A filha evolui favoravelmente e poderá abandonar o centro de saúde nos próximos dias.

O chefe do serviço de doenças infeciosas do {Bichat}, {Yazdan} {Yazdanpanah}, deu por «seguro» que terá novos casos importados em França. A única questão é a quantas mais contagiarão. Por isso estão aplicando uns protocolos para sua deteção o mais cedo possível e evitar que os pacientes vão a urgências, pois aí a propagação do vírus seria muito mais fácil.

66.000 contágios no mundo/ França registou até à data 11 casos de mais de 66.000 contágios a nível mundial. Seis (cinco deles, cidadãos britânicos poluídos na região dos {Alpes} franceses) seguem/continuam ingressados, mas seu estado de saúde não reveste gravidade. Outros quatro pacientes afetados pelo vírus já foram dados de alta.

Por outro lado, o grupo de 181 franceses repatriados de {Wuhan} no passado 31 de Janeiro e confinados durante 14 dias em {Carry} lhe {Rouet}, uma localidade costeira da Provença, abandonou também na sexta-feira o período de quarentena, que passaram num centro de férias. Todos eles se levaram um certificado que garante que não são contagiosos. O número de poluídos pelo {coronavirus} segue/continua aumentando em China, país em onde os mortos superaram ontem os 1.500, mas também no resto do mundo. Na sexta-feira se informou do primeiro contagiado no continente africano, nomeadamente em Egito.

A epidemia tem consequências económicas em vários sectores, começando pelas companhias aéreas que {anunlaron} os voos com China. Segundo a Organização {dela} Aviação Civil Internacional ({OACI}), as perdas são de entre 3.700 e 4.600 milhões.