Menú

El Periódico Extremadura | Segunda-Feira, 17 de fevereiro de 2020

O ‘{chapapote}’ afeta a 3.000 quilómetros de costa em Brasil

{Bolsonaro} admite a «catástrofe» e que «o pior está por vir»

ABEL GILBERT
06/11/2019

 

Quase 90 dias después do acidente de um petroleiro em Agosto, {Jair} {Bolsonaro} falou por fim sobre/em relação a o derrame de {chapapote} que tem afetado a mais de 300 praias ao longo/comprido duns 3.000 quilómetros. «O pior está por vir», disse o capitão retirado. A previsão de «uma catástrofe» ambiental «muito maior» coincidiu com os temores duma comunidade estupefacta desde que as manchas negras começaram a aparecer em {Paraíba} em finais de Agosto. «O que chegou até agora e que foi recolhido é uma pequena quantidade/quantia», admitiu {Bolsonaro} quando a viscosidade tingiu 77 municípios que representam o 40% de toda a costa atlântica. O Instituto/liceu Nacional de Investigações Espaciais ({INPE}) não descartou que o derrame se estenda até o sul e chegue a Rio de Janeiro.

«¿Que pode ser o pior?», se pergunta {Miriam} {Martínez}. «Limpas as praias e as manchas voltam. Nos estão faltando voluntários». Ela era executiva de Inditex. Deixou Espanha e foi a procurar o paraiso. O encontrou na ilha de {Boipeba}, onde tem montado um hotel ecológico com casas de lama.

Agora, como integrante do {Comitê} {Boipeba} {limpa} lhe toca, tal como outras comunidades, presenciar o teatro da {indolencia} dos homens que têm que tomar decisões. «A posição do Governo é a de não ajudar. Não acredita no ambiente», diz. «Não se entende que não se tenha levado a cabo um plano de emergência a partir dos primeiros derrames nem que também não se tenha ido a alto mar a procurar as manchas antes de que apareçam nas praias. Nem sequer convocaram a {Petrobras}, que tem a tecnologia adequada para enfrentar estas situações».

Uns 2.350 uniformizados participam juntamente com 15 barcos e três {drones} das tarefas de limpeza e prevenção mas receberam severas críticas dos {ambientalistas} pela ligeireza com a que enfrentam a calamidade. Até ao momento foram maioritariamente as comunidades {nordestinas} as que têm recolhido mais de 4.000 toneladas de petróleo, equivalentes ao que a estatal {Petrobras} produz em pouco/bocado mais de 10 minutos. O inventário provisório do desastre assusta. Só/sozinho no Parque Nacional {Abrolhos}, uma das principais berços da biodiversidade marinha do Atlántico Sur, com seus santuários de baleias, foram encontrados com vestígios do hidrocarboneto dezenas de animais, na sua maioria tartarugas {marinas}. A maioria têm morto. As autoridades falam duma «ação criminoso/criminal» e assinalam com seu dedo a Delta {Tankers} {Ltd}, a companhia de navegação responsável do petroleiro grego {Bouboulina}. A companhia, que esteve envolvida três anos atrás num derrame na Rússia, disse que o barco chegou a seu destino asiático «sem registar nenhuma fuga».

As notícias mais...