+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Valcorchero não será um centro de medidas judiciais para menores

Em princípio, estarão escolarizados no próprio recinto, segundo indica a Junta. La plantel/quadro se alargará em 16 pessoas e a obra começará no 2021

 

Uma imagem dos pavilhões de Valcorchero. - TONI GUDIEL

RAQUEL RODRÍGUEZ plasencia@extremadura.elperiodico.com PLASENCIA
04/03/2020

El centro de recuperação Rapaz de Plasencia, em que se transformará {Valcochero}, não será um centro para que menores da região cumpram medidas judiciais. O assinalou o presidente da Câmara Municipal após manter uma reunião com a diretora-geral de Serviços Sociais da Junta e o tem ratificado a Conselheria de Saúde, quem recordou que «o único centro dessas características da região é o Marcelo Nessi de Badajoz».

Pizarro solicitou a reunião ao conselheiro José María Vergeles -que não pôde ir pela gestão do coronavirus- precisamente diante da falta de informação direta sobre/em relação a o projeto, daí que a tenha voltado a pedir para que relatório/informe tanto/golo à Câmara Municipal como à cidadania porque «é importante ter toda a informação e {permaneceremos} vigilantes».

Entretanto, o presidente da Câmara Municipal tem apontado que terá 20 praças/vagas, de menores compreendidos entre os 12 e os 18 anos com problemas de conduta, que «já os há em Valcorchero» e o que vai a supor é «a profissionalização da atenção a esses perfis».

A priori e, dado que ontem recordou que o PP em seu dia já apresentou um centro «muito parecido», sua opinião é que «a administração com competências tem que dar resposta a estes menores e nós temos infraestrutura para isso. Pode ser bom para a cidade se isso não implica problemas de convivência fuera do centro e não quero transferir um alerta porque acredito/acho que não tem porque é que dar-se».

Neste sentido, Saúde assinalou que os menores «não estarão escolarizados, em princípio, nos centros educativos da cidade mas serão escolarizados no centro e as saídas as decidirão os profissionais».

Por sua vez, suporá um alargamento da plantel/quadro em 16 pessoas e o uso das oito hectares de terreno com as que conta, das que agora só/sozinho se usam dois.

La conselheria calcula que as obras de adaptação necessárias, valorizadas em 5 milhões de euros, estarão adjudicadas em outono e começarão no primeiro trimestre do próximo ano.