+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Uma empresa concede uma retira pelos interesses das hortas

Em troca, receberá o resto que se lhe devia, 560.000 euros, em quinze dias. Som 240.000 {€} do total de 10,9 milhões que a câmara municipal começou a pagar

 

Uma imagem das hortas da Ilha. - TONI GUDIEL

RAQUEL RODRÍGUEZ
10/03/2020

Buena notícia para os cofres do Câmara Municipal de Plasencia. Um dos credores das hortas de A Ilha, uma empresa, chegou a um acordo com o governo local pelo que se reduzirão os interesses que a Câmara Municipal está obrigado a pagar. A retira será de 240.000 euros do total de 10,9 milhões de interesses gerados por uma dívida de 40. Mas além disso, suporá também uma redução dos interesses que geram os próprios interesses e que a Câmara Municipal também está obrigado a pagar. A data de ontem, somavam mais de um milhão de euros.

O vereador de Finanças, José Antonio Hernández, deu a conhecer o acordo que se aprovou na sexta-feira passada na junta de governo local, pelo que a empresa credora compromete-se a deixar de receber esses 240.000 euros em troca de receber/acolher o resto do que a Câmara Municipal lhe deve pelos interesses das hortas e que ascende a 560.000 euros. Os receberá, segundo o vereador, «em quinze dias», com cargo ao remanescente de tesouraria obtido na liquidação do orçamento do ano 2018. O resto desse remanescente, uns 373.000 euros, destinar-se-ão a amortizar outros dois empréstimos que a Câmara Municipal subscreveu para pagar também o compensação das hortas.

«benefício para a cidade» / Hernández mostrou ontem sua satisfação por este «benefício para a cidade» e recordou que o presidente da Câmara Municipal enviou uma carta a todos os credores em setembro de 2018 solicitando que aqueles tivessem «sensibilidade com a cidade» e {accedieran} a realizar alguma retira dos interesses. Por enquanto, esta empresa é a única que se tem oferecido e o tem materializado.

Não obstante, a Câmara Municipal continua a estar obrigado a pagar uma vez a cada ano, como muito em Outubro, em torno de um milhão de euros em conceito/ponto de interesses. Começou a pagar esta quantidade/quantia no 2018 e terá que seguir/continuar fazendo-o durante dez anos.

Outra consequência positiva do acordo é que reduzirá o nível de endividamento da Câmara Municipal de Plasencia, do 132% segundo o dado atualizado no processo do orçamento de 2020 e que o vereador prevê que aproximar-se-á muito ao 110% quando termine neste ano.