+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

O PSOE propõe destinar 3 milhões a ajudas para as empresas e famílias

Apresenta dotações de até 3.000 {€} para pme e 1.000 para aluguer ou hipoteca . O grupo municipal acredita que é possível modificando o orçamento atual

 

Um estabelecimento fechado na rua do Rei. - TONI GUDIEL

RAQUEL RODRÍGUEZ
09/06/2020

Tres milhões de euros para ajudar aos autónomos/trabalhadores independentes, pequenas empresas e famílias de Plasencia que têm resultado afetadas economicamente como consequência do confinamento e a crise sanitária gerada pelo coronavirus. É a quantidade/quantia que, segundo o grupo municipal do PSOE, se pode conseguir do orçamento municipal deste ano para repartir num pacote de ajudas que expressaram num documento. O registaram ontem na câmara municipal com o objetivo de que possa estudar-se na próxima reunião do comité de crise, prevista para a próxima quinta-feira.

Segundo sublinhou esta segunda-feira o porta-voz do grupo municipal, Alfredo Moreno, «agora temos um enorme repto/objetivo pela frente/por diante, a situação económica». Para lhe fazer frente, destacou que o Estado, a Junta e a Assembleia provincial Provincial de Cáceres têm posto em marcha pacotes de medidas e «as Câmaras Municipais não se podem ficar atrás, devemos estar à altura e dar, na medida das possibilidades, ajudas que somadas às doutras administrações acreditam um colchão importante».

empresas / Assim, para os trabalhadores independentes e as pequenas e médias empresas, apresentam ajudas de até 3.000 euros para o pagamento de aluguer ou ordenados, em caso de que tenham tido que cessar em sua atividade; de até 2.000 euros para aqueles que tenham visto deficientes seus rendimentos em mais de um 75% e ajudas de até 1.500 euros para aqueles cujos rendimentos se tenham reduzido entre um 50% e um 75%.

Também propõem ajudas da mesma quantidade/quantia para as pessoas que queiram iniciar/dar início uma nova atividade empresarial, bem porque se tenham ficado no desemprego ou porque queiram empreender e de até 2.500 para aqueles que tenham {pagospendientes} quanto a tributos municipais, dívidas da Segurança Social, com Finanças ou com outras administrações.

FAMÍLIAS / Quanto às famílias, o PSOE local aposta em criar um escritório de informação para «assessorar, ajudar, informar e rever tudo tipo de ajudas e ajudar em sua tramitação» bem como um banco tecnológico para dar equipas que permitam superar a brecha digital.

Também propõem um convénio com as academias locais para dar cursos; ajudas de até 1.000 euros para o pagamento de aluguer ou hipotecas e de até 500 euros para fazer frente a recibos de luz, água e gás.

O grupo considera que o dinheiro se pode tirar do orçamento, de verbas/partidas que não se vão a utilizar/empregar ou se possam adiar ao próximo ano, despesas supérfluas, o fundo de contingência e o remanescente de tesouraria da liquidação de 2019. «Acreditamos que é possível», sublinhou Moreno.