Menú

El Periódico Extremadura | Sexta-Feira, 28 de fevereiro de 2020

O proprietário de {Monprint}, disposto a negociar uma retira das hortas

{Ibercaja} recorre à via judicial para eliminar a cláusula de {reversión} do chão. Não obstante, assinala que o governo local deve ter «{mesura} na hora de pedir»

RAQUEL RODRÍGUEZ
14/02/2020

 

El Ayuntamiento de Plasencia ha abierto la puerta a negociar la eliminación de la {claúsula} de {reversión} del suelo donde se ubicó {Monprint} y que ha comprado una empresa placentina por una quita de los intereses de las huertas de {La} {Isla}, já que o comprador é um dos credores dessa dívida municipal. Enquanto está à espera dos relatórios jurídicos que dirão se essa opção é possível e a Câmara Municipal pode obter algum benefício económico por esse terreno, o novo proprietário do chão mostrou-se disposto a negociar essa compensação.

«Eu sempre estou disposto a falar e negociar o que seja necessário com a câmara municipal», manifestou ontem Eugenio Hernández, um dos proprietários da empresa Gruas Eugenio, compradora do terreno. Isso sim, assinalou que «a Câmara Municipal tem que medir bem a cifra e ter {mesura} na hora de pedir».

Porque afirma que a cláusula «a mim não me incomoda e poderia estar aí eternamente». Não obstante, recorda que é um impedimento para a instalação no solar de três empresas internacionais com as que manteve conversações e que deram de prazo até Junho para decidir se se instalam ou não, em função de se continua ou não essa cláusula.

El vereador de Urbanismo, José Antonio Hernández, já assinalou que pediu um relatório/informe jurídico para saber como atuar e se é possível obter um benefício económico do solar. Enquanto, o empresário espera uma proposta escrita dessa compensação e, embora aponta que «a Câmara Municipal é conhecedor de que a cláusula está vazia e não têm nada, se fazem uma proposta económica e nos interessa, falaria com {Ibercaja}».

Segundo revela, depois de/após que o plenário/pleno aprovasse não renunciar à cláusula, a entidade bancária tem recorrido à via judicial, ao juiz que levou o concurso de credores de {Monprint}, para pedir que se retire a cláusula, ao ter recebido um bem com uma carga/carrega. Em caso de que o juiz {contestara} favoravelmente, «se retiraria» e a Câmara Municipal não teria direito a nada. Enquanto, «nós estamos dispostos a colaborar como sempre».

As notícias mais...