Menú

El Periódico Extremadura | Quarta-Feira, 20 de septembro de 2017

O poeta {Demetrio} Alonso dará um recital na sexta-feira

Lerá durante 30 minutos 12 poemas escrivães por ele, no {Carvajal} {Girón}. Escreve, assegura, desde que era «muito pequeno» e já tem dois obras publicadas

ALEX DE MATÍAS plasencia@extremadura.elperiodico.com PLASENCIA
06/09/2017

 

El Palacio {Carvajal} {Girón} acoge el viernes, às oito da tarde, um recitam de poesia a cargo do autor extremenho {Demetrio} Alonso (El Torno, 1962). Este evento realiza-se por ocasião do Dia da Extremadura e {versará} sobre/em relação a poemas do autor e durará uns 30 minutos. A entrada é gratuita.

A ideia de realizar esta atividade para comemorar o Dia da Extremadura surge «falando com a direção sobre/em relação a fazer algo esse dia» e, como não pode ser doutra forma, «tem que estar relacionado com minha paixão, com a poesia». Desta maneira, a direção do hotel e o artista puseram-se a trabalhamos/trabalhámos e chegaram à conclusão de fazer um recital de poesia «mas não qualquer poesia, mas poesia extremenha e {altoextremeña}», disse {Demetrio} Alonso.

Quem vá a esta cita/marcação/encontro com a cultura poderá ouvir uns 12 poemas «uns mais longos/compridos e outros mais curtos» do punho e letra do artista de El Torno. Entre eles, há um muito especial que é o que lhe escreveu à imagem de Nosso Pai Jesús Nazareno em sua saída em procissão da catedral há dois anos. «Neste poema quis expressar a sensação que vivi nesse momento e transmiti-la a quem me ouça ou me leia, que é o principal objetivo de minhas obras, expressar meus sentimentos e tentar que o leitor sinta/senta o mesmo ou algo parecido», explicou o poeta.

Este artista, que fez de tudo ao longo/comprido de sua vida, se refugia agora na poesia, um arte no qual começou «desde muito pequeno». Sempre lhe interessou a escritura «e desde bem jovem {empecé} a enredar e a jogar com as palavras, até que chegou um momento no qual me {dí} conta que o que fazia me gostava e me enchia verdadeiramente». Para ele é «muito interessante observar como os presentes noutros recitais sentem o que lhes {transmites} e te devolvem esse sentimento, porque se vê em seus olhos e também em seus olhares, o que sentem e se gostam de ou não o que ouvem», assegurou Alonso.

Até agora já tem escrito/documento dois livros, Sensações e Sonhos e nostalgias, embora confessou que «não é a mesma sensação quando {recito} que quando escrevo, porque me motiva mais ver a expressão dos presentes e sentir sua emoção», sentenciou o poeta.

{Demetrio} Alonso fez uma convite a tudo quem quiser assistir a seu recital poético para celebrar o Dia da Extremadura «para passar um bocado muito agradável, rodeado de boas pessoas e ouvindo poesia extremenha e também para sentir esse calor humano que desprende a poesia e que no fim faz tudo um corpo», comentou o poeta.

Será um recital mais, dos muitos que tem realizado, e de forma gratuita num dos pátios interiores do Palacio {Carvajal} {Girón} «com um quadro incomparável», segundo resenhou Alonso. Tudo começará às oito da tarde.H

As notícias mais...