+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Matanças

 

ROSA MARÍA Garzón Íñigo
01/12/2019

Poucas ficam que sejam como antanho. Tradicionais, nas que se começava semanas antes, quando se cortavam os {helechos} para torrar a pele do porco após o sacrifício, que desenhava sua silhueta marcada a fogo no porta do proprietário.

Dias nos que as famílias (normalmente numerosas) nos {juntábamos} com familiares de segundo e terceiro grau/curso universitário de {consanguinidad}, vizinhos/moradores e {compadres} para {pelar} e cozer as abóboras, de quarenta ou cinquenta quilos em média de peso; quando os homens as {pelaban} com {azuelas} bem {afiladas} e as rachavam com facas de {matarife} que, mais duma vez, terminavam incrustados na mão ao cortar aos bocados-les para seu melhor cozimento em caldeiras de latão à {lumbre}. Para terminar, se vertia em sacos de penso e farinha antigos, herdados dos avós e com suas iniciais bordadas e se penduravam com troncos atados cruzados, que favoreciam o escorrido de excesso de água. Assim ficava lista para triturá-la e deixá-la do tamanho apropriado para a mistura com gordura que, uma vez guisada, dariam as ricas morcelas {calabaceras}.

Tarefas como {pelar} alhos, cortar/fechar tripa e cordas, picar pimentos, cebolas, preparar as agulhas ou alfinetes para tirar o ar do enchido favorecendo a união de seus ingredientes, eram próprias de mulheres aqueles que as levavam a cabo {afanosamente}.

Chegado o dia, antes da saída do sol, o {matarife} e resto de homens se juntavam para {asestar} a facada e segurar ao {verraco}, enquanto uma mulher batia constantemente o sangue, evitando que se {coagulara} para as morcelas frescas.

Após {socarrarle}, se {despiezaba} extraindo o figado o primeiro para ser analisado pelo veterinário quem daria a aprovação para seu consumo. Enquanto, as mulheres lavavam as tripas no arroio ou rio mais próximo para {embutirlas}. Hoy são tão escassas e custosas que se reduzem a celebrações dalguns povos/povoações negados a perder este costume de sobrevivência.

Antes, para manter a família, sacrifícar um só/sozinho porco era pouco/bocado, por isso se contavam dois ou três, o que permitia afastar algumas patas para presunto e utilizar/empregar as paletas para chouriços e salsichões, mais o resto, que não era pouco/bocado. Enquanto comecem as geladas, os sobreviventes {matanceros} que ainda podem usufruir deste luxo, se porão mãos à obra pois já se sabe que do porco… até os {andares}.