+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Informarão nos planeamento/planejamento das vantagens de comprar em comércios

Querem consciencializar aos jovens porque são mais propensos às compras ‘on line’. Frente a recentes fechos, o sector volta a pedir mais estacionamentos

 

Uma imagem de dois estabelecimentos fechados na rua do Sol. - TONI GUDIEL

RAQUEL RODRÍGUEZ plasencia@extremadura.elperiodico.com PLASENCIA
04/02/2020

Cierra um comércio e saltam as alarmes, ainda mais quando trata-se de uma franquia e estava situada em plena praça/vaga Maior/velho. É o que acaba de acontecer em Plasencia. O sector empresarial sabe que uma forma de evitá-lo é consciencializar e promover as compras no comércio local, por isso, o Círculo Empresarial De Plasencia está preparando uma campanha inovadora quanto a seu público objetivo, os adolescentes.

«Os {milenials} não sabem que existem as lojas», afirma um empresário da rua do Sol com uma longa experiência. O que sublinha é que os jovens, por ser nativos digitais, são mais propensos às compras on line que os seus pais e por isso, o Círculo está preparando uma campanha de consciencialização que quer levar aos planeamento/planejamento.

Por enquanto, têm falado com a câmara municipal e estão preparando as atividades, que consistiriam num vídeo com as vantagens e desvantagens de comprar por internet para gerar um debate.

Ana María Rodilla, da joalharia {Rodiel}, assinala que com este tipo de comércio «não cresce a cidade mas o empresário grande. Nós não nos dormimos nos {laureles}, mas é muito difícil lutar contra as grandes plataformas e as pessoas tem que saber as consequências de comprar por internet». Para Luis Sánchez, de {Trendy} e Ábaco, é necessário oferecer reclamos às regiões e também «mais estacionamento», o que subscrevem desde/a partir de {Rodiel}, que recorda a necessidade de estacionamentos {rotatorios} solidários.

Entre a praça/vaga Maior/velho, rua do Sol e Rei há atualmente 22 locais fechados frente a 107 abertos aos que se somam bares.

Presuntos Várzea acaba de abrir na rua do Sol e não teme a ausência de clientes. «Aos poucos e com paciência», afirma sua proprietária, {Nadine} {Esteban}.