+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Sim mas não

 

CARMEN Martínez- Fortún
17/05/2020

Como agora tudo é sim mas não, ontem, presa de um furor {desinfectador} que alguns peritos apelidam de {paranoia} -sim mas não-, {lavé} junto aos vaqueiros um {jersey} elitista de linhas tão próprio de meu elitista armário como dos manifestantes de Núñez de Balboa contra os que se {ensañan} agora os mesmos que permitem manifestações a favor de um etarra assassino ou alentaram latadas de protesto {antimonárquicaso} bramiram contraà Lei {Mordaza}. Não é tempo de protestar- pregam, {encasquetándose} não a controversa máscara, -sim mas não- mas seu máscaras virtual. Que calem se querem, mas não pretendam {amordazarnos} aos demais.

Assim, imprensa e televisões subsidiadas pelo poder/conseguir, e propagandistas muito ativos nas redes, seguindo/continuando com maior/velho ou menor descaro a esteira de Igrejas, paradigma de antidemocrata encantado de mandar, com {ardorseudopatrióticose} espantam da nossa {inoportunidad} oportunista e nos chamam insolidários ou mesmo pior fascistas a aqueles que {aceptamos} a máscara, embora seja {FFP2} e as ofereça {Ayuso} {-} não como a Conselheria de Educação que {endilga} aos centros a compra dos equipas de proteção- mas de nenhuma maneira a {mordaza}.

Espanha padece agora mesmo uma atroz desmoralização, fruto do vírus e sua horrorosa esteira de mortos. Também da falta de um liderança sólida e não propagandístico e contraditório que perdeu sua autoridade com essa constante indefinição, fruto do cálculo político. Sim mas não às máscaras, aos luvas, à distância de um metro ¡ou dois!, como se não fora justo o dobro. Sim a viajar {pegadito} no avião, mas não a sentar-se em Madrid numa terraço. Sim a apoiar solidariamente ao governo e seu estado de alarma interminável, mas não a criticar diariamente à oposição/concurso público.

Me nego a cair no desalento. {Salvé} meu elitista {jersey} que morria facto/feito um {guiñapo} de cor indefinida, com mais vontade que esperança seguindo/continuando os conselhos de meu {tata}, com gelo e sal gorducho. Sairemos adiante com vontade, embora agora nos falhe a esperança. Enquanto, nem nos calamos nem {aceptamos} por resposta esse pusilânime e inútil sim mas não. *Professora