Menú

El Periódico Extremadura | Quinta-Feira, 15 de novembro de 2018

A quem Deus ‘{celadé}’, São Pedro ‘{Celaá}’ abençoe

SATURNINO Acosta
07/06/2018

 

Isabel Celaá, tem pela frente/por diante uma árdua tarefa, dependendo sempre do tempo que tenha em mente Pedro Sánchez permanecer no Governo, ou do tempo que o resto tenha em mente mantê-lo, pois quem a ferro mata a ferro pode morrer. Ao que parece nos anos que exerceu de conselheira, destacou por seu afã de alcançar a excelência educativa de alunos e docentes, bem como de erradicar o abandono e o fracasso escolar, boa carta de apresentação.

Por enquanto vamos a imaginar-nos que Pedro Sánchez não cumpre sua promessa de convocar eleições a médio prazo e fica, nessa altura sim terá a ministra que enfrentar os reptos/objetivos da Educação que lhe são próprios e que não são poucos nem fáceis. A longo/comprido e a curto prazo, de maior a menor envergadura.

Em cima da mesa está a prometida derrogação da {Lomce}, mas sem pacto educativo e sem uma nova lei parece difícil. Os que tão alegremente acreditam que algo assim se pode fazer de um {plumazo}, enganam-se, uma lei se derroga com outra lei, e chegar a um consenso entre todos os seus últimos e diferentes aliados vai a resultar, me {temo}, algo {complicadillo}. Mesmo assim, seu primeiro grande objetivo, e se o consegue o que subscreve se retiraria o chapéu, deve ser alcançar um pacto educativo em primeiro lugar, a redação duma nova lei de educação acordada e esperemos que por fim, a chegada do ansiado estatuto da função pública docente e uma lei da profissão docência.

Outro dos pontos que seguro se tratará será a instauração do MIR Educativo, bandeira do PSOE desde anos em matéria de Educação.

Não podemos esquecer, e isto sim é de especial relevância, que tanto/golo para erradicar o abandono escolar precoce ou alcançar o êxito educativo, já não bastará com gerir uma comunidade autónoma, agora o repto/objetivo é precisamente alcançar a {vertebración} do sistema educativo inteiro, isto é, chegar a estruturar todas as comunidades e diminuir a 15% o abandono escolar, agora no 18%.

A médio prazo tem a criação de um Plano Nacional da Melhoria da Convivência Escolaridade pelo que já pode começar ressuscitar ao Observatório Nacional da Convivência que leva morto desde 2012.

O que sim se que pode fazer de um {plumazo} mais cedo que tarde é derrogar os decretos de racionalização da despesa público. Esta medida lhe faria começar com bom pé seu ministério, atraindo ao seu lado a boa parte dos docentes.

Face a a cidadania, e ainda que já o PP o melhorou bastante, também tem ao alcance melhorar as bolsas, cujas condições, quantia e ajudas se devem conhecer a final deste curso escolar.

Em fim, vamos a deixar a cortesia dos primeiros cem dias em cinquenta pelo sim pelo não, e depois… que São Pedro a abençoe... porque a que lhe tem caído.

* Professor

As notícias mais...