+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Não encontrad

 

Ángel Serrano
23/05/2020

CRISE SANITÁRIA

O que temos ganho

Mar García

Estudiante

La crise sanitária atual, protagonizada pelo {covid}-19, está a causar mudanças drásticas nas estruturas económicas e sociais modernas do século XXI. Com o propósito de travar a pandemia, muitos governos optaram pelo confinamento restritivo da população, o que tem originado problemas tais como a solidão, o stress, a monotonia e a incerteza. ¡Mas não tudo som inconvenientes!

Em primeiro lugar, acredito/acho que um dos principais benefícios que tem comportado o confinamento foi a descida das emissões contaminadas por parte das indústrias, impulsionado pela paralisação de toda atividade económica não essencial. Graças a isso, o planeta se está recuperando progressivamente do impacto ambiental que sofre diariamente.

O coronavirus também tem promovido o surgimento de multidão de iniciativas solidárias para ajudar aos mais vulneráveis e manter a mente ativa durante os dias de confinamento. Um bom exemplo seriam os aplausos aos sanitários, as cartas de apoio a pacientes infetados e os planos culturais gratuitos via internet.

Por último, penso que o facto/feito de estar encerrados em casa nos tem brindado tempo para a introspeção, a reflexão e a autocrítica. Estas som capacidades que tudo ser humano deve poder/conseguir desenvolver nalgum momento de sua vida, com o objetivo de entender suas próprias emoções e as dos demais.

Em conclusão, perante toda situação negativa, sempre podemos extrair coisas positivas. Devemos seguir/continuar lutando unidos para erradicar este mal que tem perturbado nossas vidas.

Mulheres {visibilizadas}

María Enríquez

Coín

Esta pandemia ha sacado a la luz cosas que venían pasando desapercibidas para la sociedad durante mucho tiempo. Uma delas foi o grande número de mulheres que ocupam postos essenciais de primeira linha tanto/golo no sector sanitário como no sector comercial ou na limpeza. ¿Mas que passará com todas estas mulheres depois de/após esta crise? ¿Continuarão a ser visíveis e terão o mesmo reconhecimento social e laboral que agora? O que está claro é que as mulheres ainda estamos num lugar mais vulnerável dentro da sociedade e portanto somos mais suscetíveis à desvalorização, a pobreza ou a violência doméstica. Estes factos/feitos não se podem mudar com uns simples aplausos, necessitamos soluções e mudanças tanto/golo no laboral como em casa.

La gestão dos {ertes}

{Elvira} López

Barcelona

Mi marido está afetado por um {erte} desde/a partir de no passado mês de Março e ainda não tem recebido. Alguns companheiros/colegas, da mesma empresa, sim têm recebido. É vergonhoso que os telefones de atenção ou não te atendem diretamente ou te sai um atendedor que depois de/após ouvir toda a {parrafada} te pendura. Já tenho enviado três correios eletrónicos e nenhum foi respondido. ¿Como espera o Estado que {paguemos}? Isto é uma vergonha. Que o giram doutra maneira, que ponham mais pessoas ou que dignem-se a pegar/apanhar o telefone.