Menú

El Periódico Extremadura | Sexta-Feira, 28 de fevereiro de 2020

Mulheres nas cadernos eleitorais


06/11/2019

 

As mulheres roçam o 51% da população de Espanha, os homens apenas superam o 49%. Em contraste com esse percentagem, as mulheres ainda deliberam uma luta contra a discriminação que as trata como a uma minoria. Também no âmbito político. A repetição eleitoral dará lugar a um novo cenário político, mas vale a pena deter-se e refletir sobre/em relação a o que deixámos atrás. Sem dúvida, um dos mais positivos desde que a lei de igualdade de 2007 obrigou a que nenhum dos dois sexos ficassem abaixo do 40% da composição de cada candidatura. O Congresso com mais mulheres da democracia, o primeiro com quatro dos cinco principais partidos confiando a {portavocía} a mulheres e o Executivo com mais ministras do mundo.

O Governo de Sánchez deixou uma fasquia muito alto em visibilidade feminina. Dez mulheres em primeira linha. Ministras que têm ocupado pastas de especial peso político. Para além de sua presença, há outros aspetos de suas vidas que também são relevantes. Enquanto a paternidade não costuma ser um travão para a corrida/curso dos homens, sim o é para as mães. Mas, à diferênça de legislaturas anteriores, a maioria das ministras atuais têm filhos, um bom exemplo para fazer calar àqueles que duvidam do acordo/compromisso profissional das mulheres quando a maternidade se cruza em suas vidas.

Às portas de umas novas eleições, os partidos têm a oportunidade de demonstrar qual é seu particular nível de acordo/compromisso com a igualdade na elaboração de suas listas: mesmo cumprindo a lei de 2007, a eleição dos cabeças-de-lista ou a ordem das listas nas circunscrições de menor tamanho pode dar lugar a resultados sensivelmente diferentes. Se {sumamos} as listas dos seis partidos principais, quatro de cada dez têm uma mulher liderando-les, mas a percentagem não se distribui de modo equitativo. {Vox} e Unidas Podemos ocupam extremos opostos. Enquanto só/sozinho o 23,1% dos cabeças de listas do primeiro são mulheres, em {UP} roçam a igualdade com um 46,2%. Se {analizamos} as deputadas escolhidas em Abril, a aposta do PSOE e {UP} pelas listas fecho-ecler se traduziu num aumento direto nos assentos ocupados no Congresso. Pelo contrário, que Ciudadanos não aplicasse nenhum tipo de corretor de género o converteu no menos paritário dos grandes partidos, muito perto de {Vox}.

A igual representação de homens e mulheres em política deve considerar-se um ponto imprescindível da democracia. Não só/sozinho por uma questão de justiça representativa, também pela diferente visão que as mulheres dão à política. Quando o poder/conseguir se veste de feminismo, o diálogo, a proteção da diversidade e a atenção aos temas sociais se incrementa. Como aponta {António} {Guterres}, secretário-geral da ONU: «Quando {excluimos} às mulheres, toda a gente paga o preço. Quando {incluimos} às mulheres, o mundo inteiro ganha».

As notícias mais...